Pular para o conteúdo principal

Sete passagens de Marielson Carvalho no livro Caymmianos - personagens das canções de Dorival Caymmi

Marielson Carvalho (foto: Facebook do autor)


"'Oração de Mãe Menininha' foi composta num momento especial de inspiração para Dorival Caymmi. Além de coincidir com um período de retorno a Salvador, e todo o envolvimento mais intenso com amigos e com a própria ambiência cultural e religiosa da cidade, Mãe Menininha estava completando cinquenta anos como ialorixá. Segundo Stella Caymmi (2001, p. 442), a letra foi feita em uma hora, à tarde, no dia 8 de setembro de 1972, no Rio de Janeiro. Foi uma das últimas canções a entrar na gravação do LP e, tão logo executada nas rádios, tomou o gosto do público, tornando-se o carro-chefe de um dos melhores discos do compositor. (...) Mãe Menininha tinha admiração e confiança por Dorival Caymmi, tanto que em bilhetes e cartas assinadas por ela ou em recados transmitidos por Jorge Amado, a mãe-de-santo sempre convidava Caymmi e a esposa, Stella, para uma visita ao terreiro nas suas festas ou para conversas mais reservadas. Em entrevista à revista Veja, defendeu e aprovou a homenagem, falando que o sucesso da música só lhe trouxe benefício: 'Melhor assim [...] do que se dissessem que Menininha é malvada. Pois o Candomblé, com seus mistérios, muitas vezes passa por religião do mal, quando acontece o contrário.' (...)"


"Segundo Stella Caymmi (2001, p. 453), a letra foi toda escrita no dia 12 de março de 1975, fato que comprova o quanto o tempo de criação de Caymmi variava entre o ritmo mais e menos intenso, a partir de uma técnica especial de lidar com compromissos profissionais e com sua própria inspiração ou liberdade estética. Ressalte-se que o tempo entre a finalização da letra e a exibição do primeiro capítulo, quase dois meses para gravar, foi adequado para finalizar tudo, pois sem a música a abertura não seria a mesma. Conhecendo Caymmi, Jorge Amado começou a convencê-lo meses antes para aceitar a encomenda, e ele só prometendo, adiando, até que, nesse dia, começando o trabalho de manhã e terminando à tarde, a canção aparece completa, perfeita. Reservou-se num cômodo silencioso de seu apartamento e registrou tudo no gravador para não esquecer. Assim, quando Guto Graça Melo, produtor musical da Rede Globo ligou para lembrá-lo daquela 'musiquinha' prometida, ele estava com a letra e música prontas. E pacientemente respondeu: 'Pode vir buscar'. (...) A Gabriela de Caymmi não se apresenta com traços etnorraciais evidentes de mulata, no entanto, não seria crível delineá-la fora deste perfil de negra-mestiça, mesmo que o compositor tenha concebido uma personagem para além do romance. Quando se ouve 'Modinha de Gabriela', a mulata Gabriela de Jorge Amado aparece através de fios simbólicos que teceram sua imagem. A afinidade entre a literatura de Jorge Amado e a música de Dorival Caymmi é anterior ao romance."


"Caymmi tinha apenas seis meses na Capital Federal e, como chegou já ensaiado da Bahia, começou a mostrar logo suas canções no rádio, principal meio de comunicação da época. E foi no auditório da Rádio Transmissora que produtores musicais do filme viram a estreia de 'O que é que a baiana tem?' e se impressionaram tanto com a letra quanto com a voz do jovem cantor. Lembrado logo depois por esta apresentação, Caymmi foi convidado para uma audição na casa de Carmen Miranda que, aprovando imediatamente o samba, providenciou com a ajuda do compositor a adaptação do figurino que a letra descrevia, assim como os ensaios do gestual que ela incorporaria à sua performance. (...) É impressionante o quanto que a 'baiana' de Caymmi não só transformaria Carmen Miranda em lendária artista hollywoodiana, quanto, a partir da própria cantora, fossem reinventadas outras formas de representação desta 'baiana', tanto na fantasia masculina de Carnaval como na moda feminina, com a estilização de turbantes, maxicolares e saltos-plataforma."


"A canção é dividida em duas partes sensoriais, muito bem destacadas por Tatit (2002) e que mostram o personagem de forma a imaginarmos mesmo essas referências míticas do herói. Na primeira parte, que se resume à primeira estrofe, Caymmi descreve o pescador em ação. A música começa em tom acentuado, acompanhando o movimento tenso e intenso de João Valentão. Os versos iniciais priorizam a rima em 'ão', modulando assim um crescendo sonoro, que destacam mais ainda o ritmo pulsante de sua vida social. São os gestos do 'fazer'. (...) A parte seguinte, que abrange a segunda e terceira estrofes, é um João em contraste com o primeiro, mas ainda assim o mesmo personagem, só que em outro momento de estar no mundo. É quando os vários elementos deste lugar onde vive, como 'o sol', a 'noite', 'a lua', 'o ronco das ondas', a 'lida da vida', 'a morena', a 'areia da praia' invadem seus sentidos e o aquietam, dando lugar ao gesto do 'ser'. É quando ele deixa de lado as armas de sua representação coletiva e se recolhe. Agora tudo à sua volta é suavizado, obrigando-o a não reagir mais com brabeza, ou seja, tudo está em ordem, nada o perturba ou lhe tira do sério. Esse momento é só seu e de deleite daquilo com o que se identifica."


"'Sinhá', por exemplo, é uma forma que foi 'amolecida' de senhora e que se referia à fala como os escravizados tratavam a esposa do senhor ou 'sinhô'. Inclusive, era com esse tratamento que a mãe de Caymmi era conhecida. Na letra, se integra ao próprio nome de Zefa, ou de Inocência. As 'pretas velhas' eram respeitadas por sua comunidade negra por serem idosas e experientes, ou seja, sua trajetória de vida como testemunhas do passado escravista era uma memória cultural viva, como nas tradições africanas são reverenciados os mais velhos. A reversão desse status e do sentido de sinhá branca para a de sinhá negra é a legitimação de suas vozes como protagonista de uma história que não era somente sua, mas de toda uma gente, se não de mesma nação ou etnia africana, ainda assim, de uma mesma realidade social."


"Em 'Vamos falar de Tereza', Caymmi apresenta uma voz masculina que toma inicialmente para si a verdade sobre a personagem, diferentemente da modinha do livro, que, parecendo com o jeito meio Gabriela de ser, em primeira pessoa feminina, fala de si mesma e dá a medida de como se deve lidar com ela. Mas Caymmi se deu conta que essa exclusividade era muito grande para ele, ainda mais se tratando de mulher tão afamada e desejada. Numa reviravolta sutil no meio da letra, ele se livra de problema e joga a responsabilidade para Nosso Senhor, quem de fato sabe mais detalhes de Tereza do que ele. 'Saí pela tangente', revelou irônico o compositor."


"Maurino, Dadá e Zeca são apresentados como resistentes e cientes de sua função social para a colônia. A própria simbologia da rede jogada ao mar potencializa essa imagem de alinhavo das relações pessoais em uma trama coletiva. Nela, independentemente da idade, a colaboração e a determinação para o bem comum são a tônica de uma convivência pacífica. (...) Chico Ferreira e Bento, diferentemente de Maurino, Dadá e Zeca, não voltaram do mar. Em 'A jangada voltou só', outras referências pessoais dos personagens, para além de apenas serem pescadores, dão a medida de como a presença deles na comunidade tinha outra forma de participação. Após as duas primeiras estrofes que narram a saída da jangada e a causa do não-retorno, Caymmi nos apresenta, em tom entre nostálgico e melancólico, o que os dois faziam antes da morte."





Presentes no livro Caymmianos - personagens das canções de Dorival Caymmi (Eduneb/2015), páginas 109, 69-70-74, 31, 22, 119, 94-95 e 59, respectivamente.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…