Pular para o conteúdo principal

Sete passagens de Tom Correia no livro Ladeiras, vielas & farrapos

Tom Correia (foto daqui)


"Eu sempre soube que, cedo ou tarde, o mar onde nasci me arrastaria para um inevitável mergulho no abismo."


"Ao chegar em casa, assustado, ele colocou um maço de cédulas em cima da mesa da cozinha e correu para o quarto. Bastou um olhar para ela compreender. Furiosa, pegou o moleque com força pelo braço e imediatamente arrancou-se pela porta. Não se falaram durante o trajeto até o ponto. Ao subir no trólebus, deu um empurrão no menino, que quase se esborracha. Uma passageira, também acompanhada do filho, tentou intervir, censurando-lhe a rispidez. 'Cuide dos seus que eu cuido dos meus!', Donana rebateu. A mulher calou-se. A frase ficou se debatendo dentro do veículo. O condutor e os outros passageiros, mudos, ficaram pensativos. Levaram as palavras para casa, para a vida."


"A gente nunca teve dinheiro pra comprar um campo Estrelão, mas isso não nos impediu de organizar campeonatos inesquecíveis, como o daquele ano. Dividimos as tarefas e construímos nosso próprio estádio com material reciclado: uma porta de guarda-roupa roída pelos cupins e achada no aterro, pregos retirados das paredes, sobras de lixa e verniz. Para pintar o gramado tomamos emprestado, sem pedir, o lápis de cera da irmã de Rege Farofa. O círculo central e as meias-luas ficaram perfeitos, desenhados por Lico, um pequeno artista mesmo sem um compasso na mão. (...) Escolhemos a casa de Nema pra testar o evento. O diabo era um tapete enorme no meio da sala, atrapalhando a estabilidade da nova arena. A comissão organizadora decidiu: a única solução era retirá-lo pra instalar as estruturas ali mesmo. Nema foi contra, temia ser castigado pelo pai, mas um esporte tão nobre não poderia ser prejudicado por um detalhe decorativo de uma casa que ameaçava desabar. (...) as bolinhas se perdiam ao cair pelos buracos do piso. Quando a lama secava, a gente descia e se arriscava entre as estacas pra tentar recuperá-las. Vários jogadores do time de Cirilo foram resgatados do lodo."


"No meio da sala, percebi o quanto era difícil me mexer num lugar tão minúsculo. Abri a janela para atenuar a sensação de claustro. A baía se escondia por trás de um extenso tapete negro, as luzinhas lá longe provocaram alguma nostalgia, e senti imensa ternura pelo lugar, como se estivesse diante de uma senhora adoentada que tinha sido muito rica e cortejada pela sua formosura; que durante muito tempo exibiu suas joias e desfilou sua opulência, até cair em declínio irreversível; e que hoje vive de recauchutagens, tentando debilmente reviver seus melhores dias. Recordei os amigos que tinham partido pra lugares distantes tentando escapar da nossa prisão metafísica. As amizades se perderam no tempo. A conversa com os que retornaram não tinha naturalidade, mas ressentimento pela separação."


"Musas de bundas caídas, pseudoastros aposentados e músicos obscuros de músculos atrofiados podiam ser vistos por quem passava em frente ao 2º Distrito Naval. Viciadas em flashes e microfones, subcelebridades aceitaram o confinamento num cubículo de metal e vidro, suspenso por espessos cabos de aço. Lá dentro elas ouvem em modo contínuo tudo que produziram em vinte, trinta anos de carreira. Muitos não suportam e sofrem agudas crises nervosas. Apenas os catatônicos são indiferentes. O público já não se lembra bem das canções, das dancinhas, nem dos nomes dos antigos ídolos, mas grita histericamente cada vez que o fundo da caixa se abre e um deles despenca. A disputa é transmitida ao vivo: audiência estourada."


"Seu Francisco Edgard Lopes é muito vaidoso. Conta pra gente, com a pose de um palestrante, curiosidades sobre o Campo da Graça, onde jogou bola com Popó. No dia da inauguração da luz elétrica em frente ao Palácio Rio Branco, estava vestido a caráter, sendo um dos oradores mais aplaudidos pela turma da Associação Comercial. Também esteve todo galante quando o Plano Inclinado Gonçalves levou os primeiros passageiros. Seu pai fez parte da primeira turma da Faculdade de Medicina do Terreiro de Jesus e era um dos raros a possuir um automóvel desfilando entre bondes e carroças. (...) Consegue descrever com minúcias todos os momentos de empolgação do amigo Oscar Cordeiro quando jorrou petróleo no Lobato. (...) Ainda era um molecote, aluno do Antônio Vieira, quando participou do Quebra-Bondes, exigindo passagens mais baratas e melhor serviço. Décadas depois, mesmo sem jamais ter sido usuário do sistema de transporte público, também participou do Quebra-Quebra de 1981. 'Gosto de arrebentar coisas, porque me acalmo', ele explica. (...)"


"(...) Era muito simpático, como todos os gordos que tentam compensar os excessos. Algumas de suas manias eram irritantes. Dava em cima das meninas, sempre sem sucesso devido a um pacote repleto de equívocos: abordagem atropelada, modos truculentos e um vocabulário inadequado que ele despejava, sem constrangimento, no ouvido dos seus alvos. Até dormindo Madá queria ganhar um Molière. Seus gestos, expansivos, tomavam para si todo o espaço disponível entre ele e o seu interlocutor. Isso dificultava ainda mais a sua vida com o público feminino, histórica e estatisticamente não adepto do binômio gordo-falido. Mas eu deixo tudo isso pra lá, porque os defeitos dos amigos a gente sempre ameniza. Já os inimigos, até suas virtudes são imperdoáveis. (...)"




Presentes no livro de contos Ladeiras, vielas & farrapos
(Via Litterarum/2015), páginas 13, 95, 84 a 86,
49, 15, 63 e 75-76, respectivamente.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…