Pular para o conteúdo principal

Oito passagens de Cidinha da Silva no livro Sobre-viventes!

Cidinha da Silva - Foto daqui

“A sobrinha da visitante ingenuamente pergunta: ‘Mas, tia, a cozinheira não era a tia Anastácia?’. ‘Era’, responde a tia satisfeita. A menina continua, enquanto folheia o livro: ‘Então, porque o livro de receitas é da D. Benta?’. ‘Boa pergunta’, responde e mira a anfitriã, aguardando algum comentário. (...) A dona do livro sorri amarelo, diz que a garota é muito esperta, ameaça tocar suas tranças. A menina se esquiva do gesto, agradece o que parece ser um elogio e explica que gente estranha não pode colocar a mão na cabeça da gente.”

“A repórter, compungida, transmite à mãe a notícia do roubo. Lágrimas grossas escorrem pelos sulcos do rosto marcado pelo sol e pela dureza no trabalho da roça. A câmera focaliza cada detalhe. A mulher ergue o dedo cabeçudo e anuncia: ‘Eu vou falar uma coisa pra senhora: ele roubou foi de safadeza, colegage, luxúria. Não foi fome, não, senhora, porque fome ele passa desde que nasceu!’”

“Os passantes pareciam estar em choque. Nós estávamos. Ninguém foi despachado o suficiente para oferecer ajuda à senhora. O guarda de trânsito da outra esquina, atento, veio andando e ofereceu a mão para a menina. Ela não aceitou, queria colo. Ele ofereceu o colo. Ela rejeitou. O guarda, paciente, explicou à mãe que a menina parecia querer o colo dela e que talvez fosse bom colocar o cachorro no chão e puxá-lo pela corda. (...) A mulher, meio brava, argumentou que o cachorro tinha trauma de buzina e havia gente sem coração que parecia ler a mente do bicho e buzinava só para assustá-lo. Além do mais, ele tinha tomado uma vacina e estava sonolento. Disse ainda que a filha estava ficando muito cheia de vontades. Será que o guarda não poderia ajudá-la carregando as sacolas, ela morava no quarteirão abaixo. O guarda assentiu. A mãe fez um carinho na cabeça da menina e deu-lhe a mão.”

“A humanidade de Tim fica bem evidenciada nas relações de amor com crianças (os dois filhos e outras, de orfanato) e animais, de cães ferozes a bois e vacas de laboratório, instalados no quintal Maia. Em contrapartida, o machismo, a misoginia e homofobia do músico são naturalizados, não há qualquer comentário crítico do biógrafo mesmo diante do espancamento de uma companheira de Tim. Imaginem o estrago. (...) Alguém pode argumentar que não é tarefa do biógrafo julgar ou criticar o biografado. Muito bem, ocorre que em situações de outra natureza, às quais Motta julga excessivas, existem críticas. Por exemplo, o período ‘caretão’ da vida de Tim, vivido na seita Cultura Racional, como fiel leitor e seguidor do livro Universo em Desencanto. Motta não se furta da crítica ao ‘irracionalismo’ da opção de Tim. Fica evidente que a ausência do olhar de gênero é reflexo da falta de uma noção mais consistente de respeito aos direitos da mulher, ou uma visão da mulher como gente, menos como peça de ‘cama, mesa, banho e outras necessidades’.”

“Para os sectários heteronormativos é assim (também para os que nada entendem de saúde mental), o regozijo dos homoafetivos e seus aliados com uma conquista do campo é histeria. Os machos, principalmente, não aguentam ver duas mulheres bonitas, saudáveis, afirmadas, exalando amor uma pela outra, sem deixar qualquer chance de realização às fantasias sexuais rasteiras do macho com uma delas (ou com as duas). O fulgor do casal deve ser algo brochante para esse naipe de sujeitos e eles respondem agredindo as mulheres.”

“O falo imenso é marca em brasa no corpo do africano negro e nos outros negros do mundo. Tem dias em que o querem para dar muito prazer, noutros, suportam-no, porque incomoda e machuca. De toda sorte, ele não faz parte de um homem-gente, é um pedaço cônico de tecidos, artérias e nervos, apontado para o norte (sem bússola), nascido no meio de um boneco preto, ora desejado, ora ridicularizado. Animalizado, sempre.”

“Na vida de gado real e cotidiana desses seres humanos, qualquer vintém acrescido ao valor do transporte de todo dia é intolerável. (...) Quando acontece um aumento, na prática, mulheres e homens, trabalhadores, estudantes, pessoas que circulam pela urbe são constrangidas a pagar mais pela ração diária de maus-tratos. (...) Aceitar passivamente qualquer acréscimo do valor pago por este tipo de transporte público, mesmo abaixo da inflação acumulada, como propugna o prefeito, é apertar o fecho da coleira de rebaixamento da condição humana.”

“O Brasil real, branco e racista, quando se manifesta é tão virulento que produz certa apoplexia. Ele se organiza à revelia da legislação, da constitucionalidade das ações afirmativas, das decisões do STF e rasteja circularmente pelo assoalho da casa-grande. Ele desconsidera tudo e todos em nome dos próprios interesses egoístas, autoritários, desumanos, dos privilégios quase de casta. Este Brasil se regozija em afirmar que se não for do jeito dele e se não for tudo para usufruto dele, não será de mais ninguém. (...) Esse país real tem milhões de defensores, uns mais empedernidos, outros menos. Gente que se locupleta da arbitrariedade vil, pronta a argumentar que tudo deve ser de todos e para todos, leia-se, dos brancos e para os brancos que sempre tiveram tudo. E essa, no entendimento deles, é a ordem natural das coisas. E que os negros continuem nos seus lugares, domesticados. (...) Quando esse Brasil percebe que os negros estão se organizando, conquistando umas coisinhas poucas, trata logo de contra-atacar com os instrumentos bélicos adequados a cada momento (...)”



Presentes no livro de crônicas Sobre-viventes! (Pallas, 2016), de Cidinha da Silva, páginas 31, 22, 30, 44, 37, 95, 82-83 e 51-52, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"