Pular para o conteúdo principal

Nove passagens de Ruy Espinheira Filho no livro Os milagres de Madame Jurema & outras crônicas

Ruy Espinheira Filho na Flica 2017 - Foto: Paolo Paes


“A noite. O homem da cidade não a conhece. O que ele chama de noite é uma falsificação. Ao fim da tarde, num gesto automático, ele passa a mão no interruptor e acende outro dia. Mas é preciso conhecer a noite, a verdadeira – como a daqui, por exemplo, que, à semelhança da dos versos de Lorca, se tornou íntima como uma pequena praça. Onde todos, sem exceção, têm lugar ao luar.”

“(...) Sou eu que escrevo, e não sei escrever senão assim, pelo menos agora – com os dedos sujos do pó de muitos escombros.”

“(...) Ele a fita por um instante, em silêncio. Depois, lentamente, chama o garçom, paga a conta e sai com a mulher. Daqui a pouco, num quarto sórdido, talvez no fim de uma rangente e encardida escada, eles se amarão sem amor. Em seguida, ainda mais cansados, adormecerão. Os olhos dela, quando amanhecer, não refletirão nenhum dia. Permanecerão noturnos. E ele se afastará como que foge, amargo, buscando a si mesmo nas ruas implacáveis de luz.”

“Hoje, tendo visto dois passarinhos que brincavam entre as folhas de uma mangueira, veio-me uma grande vontade de receber notícias suas, de saber onde e como você está. E será que valeria a pena? Tenho medo de que você me apareça como uma pessoa qualquer – talvez transformada numa senhora gorda que vive gritando com os filhos –, sem nada mais da menina que me surpreendia e encantava. (...) Mas, pensando bem, eu não preciso de notícias. Porque você – o real de você – é o que está em mim. E em mim você permanece a mesma, alada e mansa, ave morena, suave e intemporal. Entre passarinhos – passarinho de olhos estranhamente humanos, grandes e desamparados.”

“(...) Os doidos mansos são um povo especial e formam uma humanidade pacata e inocente. Muito dificilmente reagem às provocações e agressões das chamadas pessoas normais. Deles deveria ser a direção do mundo, mas as pessoas normais, em maior número, acabaram tomando conta de tudo – e o resultado é isso que vocês estão vendo...”

“De súbito recebo um tapa no rosto: foi uma folha da amendoeira, arrancada pelo vento. A cidade desapareceu, como se tragada pelas ondas. Que são cada vez maiores e mais fortes, sopradas pelo Nordeste violento. Chega uma jangada de vela suja e rota. Com a ajuda de três meninos, o jangadeiro põe rolos de madeira sob a embarcação, empurrando-a praia acima. O vento sopra com ímpeto crescente – e começa a fazer frio. Ah, o vento! Por várias vezes tentou arrancar-me das mãos o papel em que rabisco estas notas. Ou muito me engano – ou estamos diante de uma autêntica vocação de crítico literário...”

“(...) Certa vez, quando menino, deitei-me no chão e fiquei a olhar o céu. O azul me penetrou como a própria revelação da Beleza, e se espalhou dentro de mim, e circulou em meu sangue – e eu era aquele azul e tive vontade de chorar. Assim, quando eu morrer vocês estarão sepultando também aquele azul. Que nem ao menos será pó. Como uma luz – composta de si mesma, de si mesma originada, sendo apenas seu próprio brilho, se apaga. Sem juízo final.”

“Esvaziados os pratos, onde há pouco fumegava uma apimentada moqueca de lagosta, sentamo-nos sob a amendoeira e olhamos o mar. Ao longe, na linha do horizonte, com seus edifícios brancos, a cidade se assemelha a um cemitério.”

“(...) Com um gesto lento, sonolento, passo as costas da mão direita pela testa úmida. Fico pensando que até o amor se torna impossível num dia como este – mas, olhando através da janela, vejo que estou enganado: do outro lado da rua, de mãos dadas, passeia um jovem casal. Lá vão eles, indiferentes ao mormaço, namorando. E de súbito me recordo que, em certas regiões deste louco país, a palavra mormaço também significa namoro. Num gesto heroico, abro o dicionário e fico sabendo que o termo namoro é ainda sinônimo de azeite, camote, cera, derriço, grude, paleio, pé-de-alferes, sumbaré, tribofe – e outras enormidades!"




Presentes no livro de crônicas Os milagres de Madame Jurema & outras crônicas (Caramurê, 2017), de Ruy Espinheira Filho, páginas 16, 48, 62, 25-26, 13, 12, 75, 10 e 40-41, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"