Pular para o conteúdo principal

Livro Quem se habilita a colorir o vazio? (2017), com todos os poemas de Emmanuel Mirdad


Quem se habilita a colorir o vazio?
— todos os poemas de Emmanuel Mirdad —
2017 | 325 pg | 200 poemas
Capa de Sarah Fernandes

Quem se habilita a colorir o vazio? — Todos os poemas de Emmanuel Mirdad” é um livro virtual, editado pelo próprio autor e disponibilizado em posts do seu blog, em fotos da página de escritor no Facebook e download gratuito do PDF da obra. São 200 poemas, a compreender o período de 1996 a 2017 da produção poética de Emmanuel Mirdad.

Do livro “Nostalgia da lama”, hoje superado, foram selecionados, revisados, reescritos em várias partes (alguns títulos foram modificados) e reordenados 98 dos cem poemas publicados em 2014. Do livro não-publicado “A libélula e o urso” (com fotos da Libellule), foram 17 pequenos poemas. Espalhados em posts perdidos do seu blog ou servindo a músicas posteriormente descartadas, o autor selecionou e recuperou 30 poemas, considerando 2017 como a sua data final de autoria. Por fim, foram selecionados, revisados e reescritos 55 poemas que foram musicados por Emmanuel Mirdad, e que fizeram parte de bandas e discos que atuou e produziu, como The Orange Poem e Pedradura.

A revisão é de Acácia Melo Magalhães e do próprio autor.

Download gratuito do livro em PDF — Clique aqui ou aqui

Crítica de Valdeck Almeida de Jesus aqui

Release do lançamento aqui

Sobre a conclusão do original aqui

Para ler todos os poemas (que foram publicados, separadamente, em posts do blog), clique nos seus nomes, abaixo das imagens das páginas do índice.





Pertença . 13


Depende . 15



À vista . 19

(In)ferir . 20

Passeio . 21

Aspirador . 22



Sal . 25

Chaveiro . 26

O rangido . 27

Inhame . 28

Cuscuz . 29

Hiato . 30






Conforto? . 40




45 . Sina

46 . Mito

47 . Possuído

48 . As máquinas jamais família

49 . Atento

50 . A anedota do tolo

55 . Norte

57 . Saidinha

58 . Acordado

59 . Débil

60 . Guilhotina silêncio

61 . Prato feito

62 . Gado bom é no meu prato

63 . O2

64 . Livrai-nos do Botox, Matusalém!

65 . Sandálias de aço

66 . Em vão

67 . Piano

68 . Solitários

69 . Ruína discursiva

70 . Hoje

71 . Rugas

72 . Fagia

73 . Escrever é doloroso demais

75 . É grave



Fração . 78


Manja . 81






Posse . 87




Carfetal . 92

Espreita . 94


Presente! . 96


Tic // Tac . 101



Doamar-se . 106





115 . Diferenças

116 . Convivência

117 . Contemporaneidade

118 . Dar-se-á show

119 . Um só

120 . Féfa

121 . O caminho regresso

122 . 4:17

123 . Barulho

124 . Intervalo

125 . Heróis do imundo

126 . Átimo

127 . Simple is true

129 . Passadinos e etéreos

131 . 300

132 . Haqui

133 . O habitante dos telhados

134 . A formiga

135 . Herança

136 . Entes

137 . Hábito

138 . O sorriso

141 . Incondicional

144 . Oel ngati kameie

151 . 2011, a odisseia de um domingo


Sereia . 153

Casulo . 155

Erupção . 157




Crônicas . 164

Apodrecer . 169



Calafrio . 172


Apatia . 174


Bagulhos . 177

O cinza . 178


Freio . 180


Perigo . 183

Amarelão . 185

Xirimbobó . 186


De novo . 190



192 . Formatado após ctrl + alt + del

193 . Frankenstein

195 . Vinícius sentenciou

196 . Umbigo

197 . Distração

198 . Enquadrada sinuosa

199 . Trevo

200 . Marte

201 . Influenciado por Rorschach

202 . Ao farol

203 . Estradar em repeat eterno

204 . Final feliz

205 . Origami

207 . Recanto

209 . Por baixo da pele

210 . Bregueços

212 . Rogai

214 . Fase azul

216 . Faca da criança

219 . O milagre

222 . Fantoche

224 . El’eu

226 . Danilo na ceia das hienas

228 . Mafuá

230 . A abelha verde


Homenagem . 232





Chuva . 241

Melissa . 243

Cortes . 245

Espelho . 247



Profundo . 255



Brilhante . 262

Armadilha . 264

Ressaca . 266

Dormingo . 268

Musiquinha . 270


Um e três . 273






282 . A agonia

284 . Algum dia eu irei escapar

286 . 8/8/88

288 . A mendiga e eu

289 . Vastidão

291 . Nuvens, sonhos

293 . Canção adeus

295 . Loucura

297 . O meu coração é um ator

298 . Sem toda amizade, sem asas

300 . Antiga poesia (envelopes perdidos)

301 . Um recadinho

303 . Olhos de galáxia

305 . Um sábado, dia 13

307 . Dieta do pó

309 . Só para lembrar

310 . Parapsicopássaros

312 . Lágrimas de crocodilo

314 . Tão ingênuo

315 . Cirurgia

317 . A casa e a rocha

319 . A lua paira sobre o Julius Caesar

321 . Um pássaro silencioso

323 . Só viver

325 . Quarto 105


Contracapa do livro, por Sarah Fernandes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…