Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Cidinha da Silva no livro Canções de amor e dengo

Cidinha da Silva - Foto daqui


O fundo do fim
Cidinha da Silva

A dor maior do fim daquele amor
Era a ferida desnuda
No fundo do abismo sem fundo
Depois da esperança partida

--------

Química sentimental
Cidinha da Silva

Há dias em que ser o som do alaúde no deserto
Não tem lirismo algum
Dias em que caminhar na areia
Sob o sol e o vento
Transpirando
Fazendo fotossíntese
É a fórmula para decantar o amor
E protegê-lo

--------

Chuva
Cidinha da Silva

Ontem chovi
Era chumbo
A nuvem que me matava
Chovi mágoa
Contrita
Ebó despachado na praça
Na encruza do tempo perdido
Chovi no pântano dos afogados
Mangue de dor
Sem flor que nasça
Chovi o amor guardado
Tudo é morte
Tudo é renovação
Só por chover
Amor
Vivo

--------

À mulher consagrada a Iemanjá
Cidinha da Silva

Amada
Não procure poemas teus
Nesse cascalho de bobagens minhas
Enquanto te amei
Confesso
Não escrevi poemas a ti
Ocupada demais estive
Em ser feliz

--------

Definitiva
Cidinha da Silva

Não me encantam as que se acham; me derrubam as que são.

--------

"Aprendida a lição da faca
A delicadeza não veio abrir a manhã
(...)
Dá-me o silêncio de tuas pedras
Serena o grito, meu Pai
Eu, guardador de águas
Inda não aprendi a ser rio
(...)
Abrasa de entendimento o peito
Imanta as grandezas do ínfimo
Traz de volta as asas"


"(...) reconhecia nos olhos dela
O mesmo que de melancolia e ternura
De placidez na liberdade fugidia
(...)
Olhos de pássaro
Ela mantinha
Quando me ofertava
Por entre as pálpebras cerradas
A liberdade
No fio sorridente
Da navalha"


"Quero Michael no ouvido
Não o mutante
O Jackson Five
Menino que ninava os grandes
Aliviava-lhes o peso do mundo
Mesmo que o mundo lhe doesse tanto"



Presentes no livro de poemas Canções de amor e dengo (Edições Me Parió Revolução, 2016), páginas 53, 45, 61, 91 e 33, respectivamente, além dos trechos dos poemas Náufrago (p. 59-60), A mulher que domava camelos (p. 83-84) e Ranhuras (p. 55), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A jornada para escrever o romance oroboro baobá — Parte IV (2016)

“ oroboro baobá ” é o meu primeiro romance. Escrevê-lo foi um laboratório, um curso, um aprendizado. No post de hoje, a 4 ª parte da jornada de criação do “ oroboro baobá ”, com o relato do que aconteceu em 2016 : a presença de Oxumaré na jornada; a ligação das partes masculinas e femininas do romance; crio a parte fantástica do romance, inventando as entidades e a divindade; Benivalda  e  Bartira  e a saga dos seus ancestrais,  Miwa ,  Mbamba ,  Mbira , Mkini , índios Maxakali , jornalista Sanfilippo , a questão Pataxó , a conexão das famílias Santos & Maxakali , e um monte de novidade nesse ano incrível para o romance; a Allée des Baobabs , o baobá Renala e o ritual em Madagascar ; o goleiro é Montanha [adiós, Muralha !]; imponho duas restrições ao romance; presentes de Sarah Fernandes , Carlos Barbosa , Flávio Bustani e Mary del Priore ; duas opções para a capa [pintura de Max Fonseca e foto de Nathália Miranda ]; opções de Adélia Prado e Daniel Lima para a epígra

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira no YouTube o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Não consegue visualizar o player? Veja no YouTube  aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suite [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splash

Orange Poem — Letras traduzidas para o português

Orange Poem (imagem: Glauber Guimarães) Segue abaixo a tradução para português das letras das músicas do álbum virtual duplo “ Hybrid ” (2014), da banda baiana The Orange Poem . Os poemas são quase todos de autoria de Emmanuel Mirdad , exceto um, que é a reunião de catorze fragmentos de poemas de Ildegardo Rosa , morto em 2011, pai de Mirdad, que foi gravado em português mesmo e não precisou de tradução. Mirdad agradece à cantora e professora de inglês Ana Gilli , que corrigiu as imperfeições existentes. Cortes Tradução para  Cuts (Emmanuel Mirdad) Nós precisamos tanto de carinho, tão importante como oxigênio, tão raro como um abraço sincero, tão caro nestes dias de egoísmo. Nós afastamos as pessoas ignorando a amizade, atraímos somente por negócio, criamos condições absurdas para o desejo, enquanto tentamos felicidade com coisas de plástico. O lar se tornou refúgio, cela, e a privacidade é exposta como prêmio. Dia após dia nos restringimos a criar ídolos, o destino