Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Cidinha da Silva no livro Canções de amor e dengo

Cidinha da Silva - Foto daqui


O fundo do fim
Cidinha da Silva

A dor maior do fim daquele amor
Era a ferida desnuda
No fundo do abismo sem fundo
Depois da esperança partida

--------

Química sentimental
Cidinha da Silva

Há dias em que ser o som do alaúde no deserto
Não tem lirismo algum
Dias em que caminhar na areia
Sob o sol e o vento
Transpirando
Fazendo fotossíntese
É a fórmula para decantar o amor
E protegê-lo

--------

Chuva
Cidinha da Silva

Ontem chovi
Era chumbo
A nuvem que me matava
Chovi mágoa
Contrita
Ebó despachado na praça
Na encruza do tempo perdido
Chovi no pântano dos afogados
Mangue de dor
Sem flor que nasça
Chovi o amor guardado
Tudo é morte
Tudo é renovação
Só por chover
Amor
Vivo

--------

À mulher consagrada a Iemanjá
Cidinha da Silva

Amada
Não procure poemas teus
Nesse cascalho de bobagens minhas
Enquanto te amei
Confesso
Não escrevi poemas a ti
Ocupada demais estive
Em ser feliz

--------

Definitiva
Cidinha da Silva

Não me encantam as que se acham; me derrubam as que são.

--------

"Aprendida a lição da faca
A delicadeza não veio abrir a manhã
(...)
Dá-me o silêncio de tuas pedras
Serena o grito, meu Pai
Eu, guardador de águas
Inda não aprendi a ser rio
(...)
Abrasa de entendimento o peito
Imanta as grandezas do ínfimo
Traz de volta as asas"


"(...) reconhecia nos olhos dela
O mesmo que de melancolia e ternura
De placidez na liberdade fugidia
(...)
Olhos de pássaro
Ela mantinha
Quando me ofertava
Por entre as pálpebras cerradas
A liberdade
No fio sorridente
Da navalha"


"Quero Michael no ouvido
Não o mutante
O Jackson Five
Menino que ninava os grandes
Aliviava-lhes o peso do mundo
Mesmo que o mundo lhe doesse tanto"



Presentes no livro de poemas Canções de amor e dengo (Edições Me Parió Revolução, 2016), páginas 53, 45, 61, 91 e 33, respectivamente, além dos trechos dos poemas Náufrago (p. 59-60), A mulher que domava camelos (p. 83-84) e Ranhuras (p. 55), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"