Pular para o conteúdo principal

Cinco passagens de Cidinha da Silva no livro Os nove pentes d’África

Cidinha da Silva - Foto daqui

“As histórias dos pentes dormitavam na parte ornamental e na magia de pentear os cabelos, desembaraçá-los, trançá-los novamente, sentados entre as pernas das trançadeiras, tias Neusa ou Dinda, e vó Berna. O vô mantinha-se sempre atento aos desenhos que iam surgindo e a nós que íamos aprendendo a trançar. São imagens felizes da nossa infância. Juntos, desenrolávamos os enredos. Histórias contadas pelos mais velhos, outras inventadas por nós, as crianças, a partir de brincadeiras e memórias, ancestrais, até, como dizia com seriedade o vô. ‘Ancestralidade, os novos também tinham’, ele explicava para responder ao nosso estranhamento de criança frente àquela palavra do mundo dos velhos.”

“Ele construiu uma série de escudos com uma riqueza impressionante de particularidades, adquirida por um empresário da ilha de Kuanza, em Angola. Neles, esculpiu as guerras de libertação dos países africanos no século XX. Quando o comprador, extasiado, indagou porque ele não esculpia guerras étnicas de períodos pré-coloniais, sagas épicas de reis, princesas e guerreiros – havia tanta história fantástica para contar –, vô Francisco mergulhou no estampido seco do formão em contato com a madeira e, para surpresa do angolano, definiu-se como um homem deste tempo, um observador entristecido do poder que mudava de mãos, mas não mudava de donos.”

“Vô Francisco chegou em uma terra verde-turquesa da cor dos olhos da sereia Janaína, onde a flor amarela da menina o recepcionou, prontinha, com cinco pétalas arredondadas, da cor do sol. Estavam lá também, muito contentes com a visita do vô, a mãe, o pai, o irmão mais jovem, morto por tuberculose, o outro que explodira com a caldeira da fábrica, tantos parentes, amigos e conhecidos do passado. (...)  ao voltar do sonho, antes de sorrir, abrir os olhos assustados e segurar firme a mão de vó Berna. Ela apertou a dele com esperança, desejando uma recuperação milagrosa. Porém, foi o vento quem veio assobiando e entrou pelo alto da cabeça do vô, como se conhecesse bem a casa e o caminho. Vô Francisco tremeu todo o corpo, respirou forte e soltou o vento pela boca num assobio de resposta a uma velha conhecida. A essa altura nós todos já nos abraçávamos e chorávamos. Ele semicerrou os olhos, desprendeu-se da mão de vó Berna e relaxou o corpo, já com respingos do choro dela. (...) As árvores de frutas do quintal não mais desenharam a silhueta verde sombreada de preto no amarelo-manga do céu; ao invés disso, formavam um borrão, meio chumbo, meio fumaça.”

“‘Oh vó, e a baleia, ela também pensa na vida dela quando está morrendo?’ ‘Talvez, Ayana, o que você acha?’ ‘Ah vó, durante aquele tempo sem conta, ela deve pensar em todas as atitudes baleísticas da pessoa dela: o susto dado nos humanos, mesmo sem querer; os cardumes devorados por pura gula, aproveitando-se da sopa que os peixes deram em frente à sua bocarra. Essas coisas de baleias.’ ‘Imagino também vó’, completa o João reflexivo, ‘que brincando no oceano, ela apitou como um navio e deu falsas esperanças a um grupo qualquer de náufragos. Isto deve ser uma lembrança doída para qualquer baleia pensativa’.”

“(...) O temperamento dela era mesmo difícil para interagir com as pessoas. (...) Não tinha amigos, não namorava e era pouco amável com a família. A tia Dinda, coitada, insistia para que ela aceitasse ajuda especializada, uma terapia, qualquer coisa vinda de fora, mas nunca conseguiu nada, porque para a Ana Lúcia estava tudo bem. (...) Por fim, o primo tirou o pente-baobá da gaveta da escrivaninha construída pelo vô e entregou a ela. Acho que Ana Lúcia demorará a entender alguma coisa sobre aquela árvore de raízes profundas, copa imensa, sombra para várias pessoas ao mesmo tempo. Mas como dizia o vô Francisco, ‘o tempo perguntou ao tempo qual é o tempo que o tempo tem’. E cada resposta vem a seu tempo, não adianta apressar.”



Presentes no livro infantojuvenil Os nove pentes d’África (Mazza Edições, 2009), de Cidinha da Silva, páginas 08-09, 06, 17 a 19, 24-25 e 48-49, respectivamente, com ilustrações de Iléa Ferraz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"