Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Izabela Orlandi no livro Vão dos bichos

Izabela Orlandi - Foto daqui


Izabela Orlandi

era claro e havia o bicho
e só quando escuro
havia o homem

era claro e havia o silêncio
e só quando escuro
havia a palavra

você insistiu
em negar todas as noites
e a exatidão
me perguntava
todos os significados

mas eu te fiz o escuro
de olhos abertos
sente só: o ar que eu
passei entre os seus dedos,
só assim é bicho e homem
é silêncio e palavra

e mar

--------

Inevitável
Izabela Orlandi

Visito à noite um cemitério,
se aqui você pudesse me tocar
sem palavras
sem objetivo
sem relógio
espreitando a morte
celebraríamos a vida?

Aqui me dispo dos toques que guardei
e inebriada pelo álcool
o cheiro da morte
escorre fervendo
pela pele.

Por estar sozinha
se torna secreto
o visível gozo
da fuga.

(já se desfaz a lembrança de onde estamos.)

Mal-me-quer
bem-me-quer:

Sei que você não enxerga
nenhuma flor aqui.
(eu destruí todas)

Se desfaça com calma
da brasa que te queima
e faz viver a sua eterna
coleção de memórias.

--------

Paisagens
Izabela Orlandi

A casa sólida e ampla
dos áureos anos 40,
em que todo dia a menina
subia com seu avô a escadaria,
era a construção mais sólida
da Rua Amadeu.

A mãe observava do quarto
a longa jornada dos dois.
A se perder de vista,
tantos eram os degraus,
a menina confiava ao avô
o esplendor de um dia
visto por olhos banais.

As mãos fortes do homem
colhiam frutas de alvo sabor,
frescas verduras e ovos ainda quentes,
que enchiam a cesta de vime.

Eu poderia contar agora
sobre a geleia que a avó preparava.
Aroma de invejar qualquer um
que na rua passava.

Mas o que se deve incluir
na descrição dos cenários?

Folhas e frutas colhidas
ou as grades cinzas
que no cenário da casa
invisíveis eram, mas
que prendiam além da mulher
que o crime cometeu,
a voz e a vida de todos
por anos a fio?

--------

Que seja
Izabela Orlandi

tudo me dá
asco
a mão que pesa
a ferocidade
instantânea sobreposta
pelo desejo
das tormentas apáticas
a cumplicidade
que você me dispõe
me dá asco
acesso
de ternura
a blusa mais bonita
que rasgo com
a tesoura de metal
(tem que sentir
o gelo e a ponta
finíssima)
logo o ato
vira asco
o pulso
se mostra braço
inteiro que ali continua
pendurado no corpo
inútil
a masturbação
só pelo hábito,
metade santa
e o gozo
no rosto sem pudor,
metade vândala
o comprimido
o whisky às quatro
o sexo a três
punheta
filme pornô
amor
vira o vômito
o asco morno
em pedaços
o seu sorriso raso
a praça da Sé
o beijo que foi
grito
tantos, tantos
livros
tudo traça
ácaro,
asco.

--------

izabela orlandi

não há silêncio
no gozo pois
a palavra muda é

respiração
dedos e nós

suor que escorre
no vão dos bichos

vivos

--------

"Gozo ao estar sozinha
e perceber
que ninguém pode me ajudar."


"A água, certamente,
parou de irromper do céu. Para ela,
era esse o fim da tempestade. Para mim,
as janelas quebradas
eram a prova de sua eterna permanência."


"o gozo a sentença é sermos pele
recorrente furo na parede negado
mas a primeira e única comoção
foi o medo das suas primaveras
naufragando
o terror absoluto do cheiro de carne
queimando"




Presentes no livro Vão dos bichos (Patuá, 2015), páginas 07, 39, 61, 22 e 10, respectivamente, além dos trechos dos poemas A gaivota (p. 25), Seca tempestade (p. 72) e Gestão emergencial (p. 13 e 14), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"