Pular para o conteúdo principal

Os dez melhores poemas da revista Organismo #03


Diga trinta-e-três
Angélica Amâncio

Ontem
33 caralhos
invadiram o corpo
doído e dopado
de uma menina de 16 anos
na cidade maravilhosa.

No Brasil,
a cada 11 minutos,
uma mulher
é violada
– são 9
no tempo
de uma partida de futebol
com acréscimos.

50 mil mulheres
são as que declararam
terem sido violentadas
no espaço
de 12 meses
num beco
num quarto de criança
numa cama de casal
com crucifixo em cima.

Outras
90%
se calam
já que
dos estupradores
6%
em 26 estados
e um distrito federal
são levados a julgamento.

Ontem
33 caralhos
invadiram o corpo
dopado e doído
de uma menina de 16 anos
na cidade maravilhosa.

Hoje
33
é um número doente.
Seria menos triste
se tivessem sido 33 tigres
33 tubarões farejando sangue
33 ratos de esgoto...
Mas eram homens.

--------

O deserto vermelho
Simone Teodoro

Em minha solidão
mora um mar
de água transparente
e uma praia carmim

Como num filme
de Antonioni

Chego ao mesmo
tempo que o Sol
Parto quando a luz escapa
por uma fenda
no céu

Em minha solidão
moram coelhos selvagens

E um dia
de longe
vi um veleiro fantasma
desses que singram
os mares daqui
e os mares dos mundos
do lado de lá

Como num filme
de Antonioni
em minha solidão
as pedras cantam
como se fossem de carne
e doessem

--------

Um fóssil pinaúna
Alex Simões

um fóssil pinaúna não
é belo por não ter espinhos.
pelo contrário, sua beleza

reside justamente no
fato de um dia ter sido
ente espinhoso e peçonhento.

chamado echinos ou ouriço
deslocando-se por meio de
pés ambulacrários retractéis

em busca de algas, detritos
e pequenos invertebrados.
não um fóssil pinaúna

– corpo globoso e disciforme –,
a carapaça sem espinhos,
mas um indício de que houve

ali um modo de existir,
portanto, de resistir,
toda existência resistência,

beleza da resiliência,
sendo aquilo que nos fascina
não só o agora suave ao tato

como também o que outrora
nos disse belo em seu mover-se
tal qual é belo o seu fixar-se

– lembro as hastes pretas movendo-se
depois pontos pretos nos pés
doloridos da então criança -

sobre difíceis superfícies,
ludibriando o predador,
ou qualquer coisa que o valha.

lição da pedra que machuca
porque a beleza do difícil
é não mostrar-se no que mostra.

um fóssil pinaúna não,
um modo de dizer-se vivo
porque toda beleza fere.

--------

De mãos dadas no museu
Angélica Amâncio

E a cidade foi se tornando
uma grande desculpa
para estar ao seu lado.
Cada concerto, exposição, circo de pulgas
cada parque, torre, arco, cemitério:
um detalhe
um fundo verde
para a sua figura,
a sua brancura,
o seu espetáculo de pelos.

E eu,
que sempre gostei de estar sozinha,
percebi que nunca antes de fato
havia estado
acompanhada.
E agora
você parte.
E eu passo
de alguém-com-você
para alguém-sem-você
num passe de mágica
num estalar de dedos
num corte
seco.

Então
vou beber o luto
rodopiá-lo
manchá-lo de batom e perfumá-lo
com o aroma dos cedros
que você guardava entre os dedos.

Porque aprendi a ser
como os goleiros
que sabem cair
e se levantar
depressa
antes que algo
muito pior aconteça.

--------

Sobre bichos e bichos
Márcio Oliveira

Faz quase três quartos de séculos
que Bandeira testemunhou um bicho
revirando o lixo
para encher o bucho,
e no final o bicho não era bicho;
quer dizer, era bicho humano,
mas de si destituído,
como as ratazanas famintas
que deslizam pelos cantos
esconsos do centro
fétido da metrópole.

Quem circula pela metrópole
na adolescência do século XXI
vê os descendentes do bicho de Bandeira
fumando algo que já não se parece com cigarros
e que os transforma em entidades elétricas,
com os olhos incendiados,
emergidas de tocas e covas
para estragar a paisagem
e a paz dos cidadãos de bem.

Os novos bichos ainda reviram o lixo
para acalmar o bucho
quando o bucho protesta.
Isto é:
os bichos pobres ainda comem
o desperdício dos bichos ricos,
ou nem tão pobres
que não possam deitar fora
o que não cai bem no paladar
dos bichos não humanos
guardados dentro de casa.

E para registrar tal situação
sempre haverá um fotógrafo,
um cronista,
um poeta de estômago cheio,
plenos de boas intenções
e prontos para mostrar
que o tempo passa,
mas por si só não transforma nada:

nem o fotógrafo, o cronista e o poeta,
revestidos com outra cara,
de nomes trocados,
disfarçados em outro estilo,
arredaram pé da posição em que se achavam:
continuam atrás da máquina que desfecha cliques,
agora digitais,
da tecla sem o ruído seco de outrora,
da tela eletrônica desprovida de textura,
mas porosa em todo caso
à perplexidade de sempre.


Angélica Amâncio, Simone Teodoro,
Alex Simões, Márcio Oliveira, Vitor Queiroz,
Almandrade, Heitor Dantas e Wladimir Cazé


Lembrança de Nosso Senhor do Bonfim da Bahia
Vitor Queiroz

1
Braços pernas cabeças.
Senhor do Bonfim. Fel bandeide cera votiva. As tuas chagas são as bocas de lodo da Bahia.

A tua auréola de prata tem uma grinalda de endereços.
Ruas praças. Abaetés. Bifurcações perdigueiras, avenidas.

2
Arcanjos celestes baratas formigas besouros. O Bahia e o Vitória
Brotas Cajazeiras Jorge Amado e os anéis de Saturno enfeitam os espinhos da tua coroa.

3
Rococó. Linha gesso agulha. Lázaros escalpelados.
O surdo, anões o mudo feldspato o aleijão e o paralítico rogam ao teu fêmur setecentista.

--------

Um lance
Almandrade

Ainda
o mar de Homero
habita
o céu da história.
Um lance
de dados e textos,
jogo da literatura.
Pensar é
abrir portas,
migrar
para o desconhecido.
Impossível se achar
um limite.

--------

Contas a pagar
Heitor Dantas

Todos temos contas a pagar
Por isso somos tão saudáveis
E maldizemos o mel do inimigo

Contas a pagar
Nosso andar barulhento
A buscar
Pelas portas abertas
Nosso nascimento
Pelos falsos poetas
E agora isso é certeza

Todos temos contas a pagar
Não há poder que mude nossa natureza
O que muda são os planos
O que temos
E o que somos

Não há mudança que nos impeça
Na dor inflamável dos grilos e centopeias
Todos temos contas a pagar
E a odisseia
O que impede não é o tempo
Quem dá menos?
E o que somos?

Contas a pagar
Justo no momento da ceia
E o que conta não são os salmos
Respira e escreve na areia:
“O que temos é o que somos”

--------

Molusco
Wladimir Cazé

O vento sopra
sobre a rocha
onde a concha
dobra o som
dentro: outro
sopro venta.

A onda quebra
contra a pedra;
o mar não cessa
de pôr no casco
do molusco em colapso
o tempo quase intacto.

--------

O ocaso do antagonista
Márcio Oliveira

Após décadas de inimizade,
foi despachado hoje ao cemitério
o meu maior inimigo.

Não, não posso falar assim.
Se honesto quero ser,
devo dizer de outro modo:
perdi-o.

Já chorei muitas perdas nesta vida:
de eras a performances,
de ilusões reluzentes a convicções desesperadas.
Entretanto, como me dói esta!

Recordo as insônias que dediquei ao inimigo,
infligindo-lhe humilhações, desventuras,
pejos, reveses, golpes, infortúnios, ciladas,
sinistros acidentes.

Repasso a fisionomia repuxada e ruborizada
que lhe punha na cara
quando o desacatava em público,
saboreando a fictícia vingança,
em minha infinita valentia mental.

E agora cai sobre a minha cabeça
esta tremenda epifania:
nunca o figurei morto,
por soar-me insuportável a hipótese.

Choro-lhe hoje o cadáver deplorado,
abandonado à intempérie,
entregue à solidão escura do subsolo.
Choro-lhe o filho que o chora.
Choro-lhe o último gesto,
a última palavra,
esta cidade desolada
sem sua presença contagiosa.

É por uma pequena sobra de orgulho
que não suplico à viúva
um abraço calado de solidariedade
que nos unifique no mesmo luto.

Pode a campainha implorar,
o telefone, feito cigarra, estourar de tanto tocar,
alguém vir anunciar que tirei a sorte grande
no maior prêmio.

Eu não estou para nada.
Só quero estar só,
chorar só.
Porque, nesta terrível primavera,
em que o sol me sorri com ironia,
morreu o meu avesso.




Presentes na revista Organismo nº 3, organizada por Orlando Pinho e Zéfere.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…