Pular para o conteúdo principal

Seis passagens de Joana Rizério no livreto É pegar ou largar

Joana Rizério (foto: Lígia Rizério)


"Amarraremos uma fitinha nas grades da Igreja do Bonfim vertendo lágrimas, mas não saberemos que um funcionário vai lá, a cada três meses, para tesourar os desejos de todo mundo e jogar no lixão de Canabrava."


"(...) até as surucucus reais, até a mais viril das anacondas (até aquele cara que nos bastidores apelidamos de 'madeirada luxo' – não por ser grande, mas por ser delicioso); até estes abençoados machos serão, um dia, graduados como teus parceiros de infortúnio. (...) Porque a pequenez é uma espécie de falecimento do pinto. E todo pinto um dia se vai, seja por idade, defeito ou pelo bater de botas do dono inteiro. O fim sempre espreita, implacável, como toda morte."


"(...) Posso ver daqui a água que trouxe Caramuru, a água que é de Yemanjá. (...) Nomes de nomes, como ladeira da água brusca, água de meninos, águas claras. Água por todo lado, água pingando da torneira de minha pia: água, que toda menina baiana é d'Oxum (...) em direção ao Rio Vermelho em que eu me perco, na praça da Piedade em que me resolvo, na noite da noite escura da avenida Contorno (...)"


"E todas brocham, completa e instantaneamente, quando alguém dá um certo conselho maroto, limpando um invisível veneno do canto da boca antes de dizer: – Mas ele tem o pau muuuuuito pequeno. (...) 'Parecia um lápis', diz chorosa a minha vizinha, que deu um baratino inacreditável: fugiu pela janela do banheiro do hotel (...)"


"Minha mãe (...) faz suas roupas, pães, geleias, mói o café na manivela, tem serra elétrica, furadeira de impacto e até broca de diamante. De suas mãos saíram minha cama, minha estante e minha linda mesa, defronte ao mar – para que eu pudesse, com todo o capricho, confeccionar esta carta. (...) Sob a asa dos meus pais vivo o êxtase de um afago eterno, uma lombra terrivelmente feminina (...)"


"(...) ainda bem que existe a internet, pra pôr fim à sanha obrigatória de papel e tinta que vocês ainda insistem em prensar todo dia, e que não passa de uma cara embalagem pra peixe, como o senhor sabe. (...) Se não for muito abuso, põe uma assinaturazinha do teu folhetim que chegue toda manhã na minha laje? É que aqui tem muita vidraça, e dizem que papel de jornal é uma beleza para limpar janela."





Presentes no livreto de crônicas É pegar ou largar (2015), páginas 06, 12, 04, 10. 17 e 18-19, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…