Pular para o conteúdo principal

Possíveis títulos retirados da obra de Mayrant Gallo

Mayrant Gallo na Flica 2011 - Foto: Vinicius Xavier


"O emblema turvo do fim"
 O inédito de Kafka - pg. 59

"O abismo cor de chumbo"
 Brancos reflexos ao longe - pg. 28

"O apagamento irremediável das cicatrizes"
 Pés quentes nas noites frias - pg. 40

"A nudez esclarece as pessoas"
 Pés quentes nas noites frias - pg. 31

"Uma sensação de inútil suficiência"
 O inédito de Kafka - pg. 50

"Uma escada rumo ao cinismo"
 Pés quentes nas noites frias - pg. 116

"O arredondamento vazio do grito"
 Cidade singular - pg. 18

"Gestos passivos diante da dor e do infortúnio"
  O inédito de Kafka - pg. 91

"Uma passagem firme e sem incidentes aos corredores do insondável"
  Cidade singular - pg. 47

"O impulsivo desejo de ridicularizar tanto o indivíduo quanto a espécie"
 Brancos reflexos ao longe - pg. 80

"Os dias existem para uma irremediável perda"
 Brancos reflexos ao longe - pg. 95

"Uma quase instantânea compreensão do acaso"
  O inédito de Kafka - pg. 178

"A evidência do desconhecido e do improvável"
  Brancos reflexos ao longe - pg. 48

"O súbito roçar da morte"
  Brancos reflexos ao longe - pg. 75

"Ontem nada, amanhã silêncio"
  Pés quentes nas noites frias - pg. 18

"Apenas mais um entre muitos"
  O inédito de Kafka - pg. 95

"Toda poça de sangue é irrecusável"
  O inédito de Kafka - pg. 48

"Um indisfarçável olhar de repreensão"
  Dizer adeus - pg. 54

"Olhos abertos no escuro"
  O inédito de Kafka - pg. 23

"A surpresa miúda dos minutos"
  O inédito de Kafka - pg. 21

"Morre-se, e é tudo"
  Recordações de andar exausto - pg. 60

"Agora nem o espelho me devolve"
  Recordações de andar exausto - pg. 39

"As pedras incendiadas de sol e água"
  Brancos reflexos ao longe - pg. 27

"O repentino desaparecimento da luz"
  Dizer adeus - pg. 37

"Um azul ainda mais sólido"
  Brancos reflexos ao longe - pg. 23

"No céu de um azul irreal"
  Brancos reflexos ao longe - pg. 51

"O eco dos passos sobre caminhos novos"
  Três infâncias - pg. 27

"Não há sentido no espaço, nem no tempo, pois não há pessoas à vista"
  As aventuras de Nicolau & Ricardo: detetives - pg. 64

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"