Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - O inédito de Kafka, de Mayrant Gallo

Mayrant Gallo (foto: CosacNaify - interferida por Mirdad)


"(...) sempre tem alguém que faz antes de nós o que pensamos fazer" (pg. 185)

----------

"Ele era para ela como uma parede branca e lisa, um vaso de plantas num canto, um quadro sem cor e inexpressivo, comprado ao acaso e pendurado sem gosto numa sala igualmente sem gosto, alguém velho que move solitário as cartas de um surrado baralho, recluso à ensebada mesa de madeira de um vazio corredor de entrada, e por quem se passa como por um saco de entulho abandonado ao pé de um poste... Ele não a atrairia nem que fosse o último da espécie" (pg. 144)

----------

"Dois não podem ser um: não há número este redutível por si mesmo que dispense um agente; e o agente é a dor, ou o amor, a morte... Compreendi isso muito bem e, com a inabalável certeza de que não me arrependeria, decidido a não sofrer, a não levar tão longe o conhecimento do mistério, dei as costas para mim - reciprocamente" (pg. 193)

----------

"Era de certa forma pelo estado do veículo que estipulavam o preço. Muitos clientes reprovavam esse hábito, mas, uma vez que eles eram os únicos mecânicos disponíveis por ali, acabavam autorizando o serviço e, tomados de um receio incômodo, deixavam o veículo nas mãos dos dois e partiam. Em casa, porém, não conseguiam nem comer, quanto mais amar a mulher, acariciar os filhos. Daí, no dia seguinte, bem antes do prazo fixado, voltavam correndo à oficina e de longe ficavam observando, com ar receoso e de mistério, o carro, livre de duas rodas ou com a boca aberta, febril. Quando se convenciam de que tudo ia bem, retornavam para casa. Enquanto isso, entre as rodas ou dobrados sobre o motor, os dois amigos sorriam. E sem muita vontade, num abrir preguiçoso de lábios, um ou outro às vezes comentava:
– Mais um idiota" (pgs. 163 e 164)


Mayrant Gallo
(Cosac & Naify - 2003)


"Ele estaria sempre disposto a ouvi-las para depois calá-las ou fazê-las gritar sob o ávido peso de seu corpo, apenas isso, o que era pouco, muito pouco mesmo, a oferecer à milenar clausura feminina" (pg. 150)

----------

"Quando gozaria com ele? ... ainda não sentira nada, só um brusco avançar carnudo entre as pernas e um roçar e um gemer e um fluir morno e úmido, como todos os outros que experimentara ... Cíntia se apaziguava só com a esperança de, em breve, por alguma sorte, seu interior vir a executar salientes pulos, e o grito escapar de sua boca, como um instantâneo e curto fluxo de dor" (pg. 137)

----------

"Há momentos em que inevitavelmente nos tornamos pedra, ferro, excremento, resíduo de uma matéria qualquer sem utilidade conhecida, e apesar de tudo agradecemos em silêncio que isso nos tenha acontecido" (pg. 117)

----------

"Pouco a pouco os outros caras foram chegando, se juntando a nós em torno da grande árvore. Alguns eram tão feios que acho que ainda tinham fome. Alguns eram só magros de fome constante, alguns eram só negros sem chance, alguns eram só pedaços de ontem, alguns eram só esses pontos sujos no pano branco que nenhum removedor consome... Éramos todos um pouco isso tudo e, para piorar as coisas, não tínhamos escrúpulos. Na primeira chance, se preciso, nos trairíamos. Na primeira chance amassaríamos o crânio de um, no meio-fio, por um punhado de arroz" (pg. 110)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…