Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Dizer adeus, de Mayrant Gallo

Mayrant Gallo (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)


"Sempre preferi as mulheres às expressões de virilidade em meio aos homens ... Ainda hoje não troco um corpo de mulher por uma partida de futebol" (pg. 26)

----------

"Estávamos na idade do amor ao estranho, da curiosidade pelo mórbido, do prazer pelo insólito. Descortinávamos o mundo e seus segredos. O meio das pernas de Mônica, há pouco, não era mais belo que aquele corpo em agonia. E que de súbito se imobilizou. E a nós três, simultaneamente, à sua volta. Mônica começou a chorar, vítima de uma inesperada compreensão ... De minha parte, tentei demonstrar calma, controle, uma austeridade que sempre me faltou. Tentei sobretudo aceitar o fato de que nossas vidas nunca mais seriam as mesmas. Foi então que vi a pá ao lado do corpo e compreendi seu uso" (pg. 28)

----------

"Sempre é tarde demais na vida para alguma coisa" (pg. 95)

----------

"Ela adorou o esqueleto do gato. Ficou ajoelhada diante da arca, os olhos rentes ao tampo escuro, arranhado pelo tempo. Entre os ossos, vermes ainda trafegavam, como numa cidade em miniatura. Consumiam suas últimas porções de carniça, que demoravam a extrair de dobras e curvas brancas, de fendas estreitas, de grutas:
'Gosto disso!', ela disse" (pg. 13)

----------

"Só quem escreve, ficção ou crítica, lê Kafka" (pg. 10)

----------

"Há uma velha lata de pastilhas, que seu pai manipula enquanto trabalha. Parafusos, porcas, arruelas e pinos a enchem inteira. O oito do trenzinho cria forma. E o menino pergunta: 'O que era esta lata?' 'Pastilhas', o pai responde. 'Que o senhor comprava pra mim?', seus olhos brilham. 'Não, não! Para mim.' O pai se torna outro ao olhar admirado do menino, que, no entanto, só tinha quatro anos. E ele, infeliz, descobre que acabou de nascer, e que o mundo o precede em muito tempo, em atos, objetos, cores e ocasos. Que o mundo vem de muito fundo, de um longínquo quando" (pgs. 117 e 118)


Mayrant Gallo
(Edições K/2005)


"– O crime é hoje solução para tudo" (pg. 84)

----------

"Na sala, a tevê estava ligada, e à sua frente, estirado na poltrona, o homem dormia. Com a mão esquerda, o arrebatei pelo queixo e suspendi sua cabeça, com a direita abri sua garganta. A navalha ficou gotejando, pendente de minha mão. Procurei a mulher. Estava no quarto. Dormia com o corpo descoberto, quase nua, indiferente aos olhares. A mortiça luz do abajur acariciava sua pele. Evitei me demorar sobre sua nudez. Tampei-lhe a boca com força e enfiei o punhal abaixo de seu seio esquerdo. Ela mal abriu os olhos. Mesmo assim julguei ter visto neles certo brilho de compreensão" (pg. 69)

----------

"O homem perdeu o emprego no dia anterior e não sabe como dizer isso à mulher. Preferiu sair cedo, como se nada tivesse acontecido. Mas teme, agora, que mais tarde ela telefone para a empresa e descubra tudo. Na verdade, ele sabe que ela vai descobrir, se não hoje, amanhã, se não amanhã, um dia... Os despojos sempre chegam à praia, por mais longe que tenha sido o naufrágio" (pgs. 96 e 97)

----------

"O crime jamais foi esclarecido. Aliás, nada poderia ser afirmado com segurança. Não havia suspeitos, nenhuma pista clara, nenhuma evidência de luta. Nem tampouco qualquer arma foi encontrada. A mata, por sua vez, esquadrinhada de uma ponta a outra, nada confessou. Sobrara o lago, plácido e indiferente como uma vitrine tombada" (pgs. 58 e 59)

----------

"– Ei, você me leva?
O motorista ergueu o rosto e a fitou. Estava quase deitado no banco, com só metade da janela aberta. Aquele era o único veículo no ponto, e ele não estava nem um pouco disposto a se pôr em movimento, mãos no volante, pés em ação, olhar atento na noite. Só não tinha ido embora ainda por preguiça, certo enfado, displicência, apatia, um pouco também de desgosto. Às vezes, voltar para casa é como morrer" (pg. 60)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…