Pular para o conteúdo principal

Revisando 2014

Emmanuel Mirdad, escritor, compositor e produtor, em foto de Léo Monteiro


2014 foi o ano do retorno de minha carreira autoral. Logo no início, desfiz a sociedade com a produtora Edmilia Barros na empresa Mirdad Cultura, e desisti da vida de business man da produção cultural - continuei com a sociedade na empresa Cali e a gerenciar a Flica. Brevemente pensei em me tornar fazendeiro de cacau em Ilhéus, mas preferi voltar a produzir a minha carreira artística.


Dediquei a maior parte do ano a produzir e lançar virtualmente EPs da banda de rock psicodélico progressivo em inglês The Orange Poem, com minhas composições. Foram seis ao todo, que culminaram no álbum duplo Hybrid, lançado virtualmente em outubro - a minha principal realização de 2014. Esse trabalho foi todo custeado por recursos próprios, e finalmente pude eternizar o trabalho do poema laranja, incompleto e insuficiente com o vocalista anterior.


Recuperei 18 canções do repertório Orange Poem, que ganharam nova mixagem e alguns instrumentos gravados por Tadeu Mascarenhas, do Casa das Máquinas, e a participação de seis vocalistas. Como disse por aí, posso morrer feliz, pois o mestre Mateus Aleluia gravou três músicas minhas. Não só ele; tive também a honra de gravar três vozes sensacionais e referenciais do rock baiano, como Glauber Guimarães, Nancy Viégas e Mauro Pithon, além de apresentar em disco a voz do amigo Rodrigo Pinheiro e ter a presença do bombado e competente Teago Oliveira, da Maglore.


Capas do álbum duplo, EPs, fotos dos vocalistas, etc. - Processo Orange Poem em 2014


Enquanto arrumava a obra da Orange Poem, botei ordem no meu acervo, organizando e divulgando no blog os meus discos e composições gravadas nas seções Discografia Composições. Em 2014, completei 15 anos de trabalho na área de produção cultural e comemorei a efeméride publicando no blog a seção Produções, compilando todos os trabalhos que fiz. Aproveitando o embalo, produzi o single A Mendiga e Eu, gravada pela banda Quarteto de Cinco - ouça aqui. E, em outubro, coordenei a realização da 4ª edição da Flica em Cachoeira, Bahia - veja o resumo aqui.


2014 entrou pra minha história como o ano em que finalmente afirmei: sou escritor! O Mirdad editor finalmente reconheceu o trabalho do Mirdad escritor - fiquei em paz. Passei a ser autor da editora Cousa, do comparsa Saulo Ribeiro, de Vitória, Espírito Santo. Em maio, depois de quatro anos, lancei um novo livro: Nostalgia da lama, de poemas. Filho único, pois meu foco é a ficção, principalmente os contos. Ainda no verão de 2015, lançarei O grito do mar na noite, de contos, em homenagem ao mestre Hélio Pólvora. Aproveitei para criar a seção Livros, que promete ser bastante movimentada nesses próximos anos.


Ainda na área da literatura, fui a vários lançamentos durante o ano, e li como nunca: 59 livros, entre lidos e relidos. Tive o prazer de degustar a Coleção Hélio Pólvora, três livros de crônicas do mestre Nelson Rodrigues, reler o livro de Clarice Lispector que mais gosto, e conhecer os excelentes livros de ensaio de Andrew Solomon e do finado David Foster Wallace. Movimentei bastante a seção Pílulas, que logo mais dará adeus ao blog por pura falta de tempo.


Lançamento do livro "Nostalgia da lama" - 31/05/2014 - Foto: Léo Monteiro


Resolvi a parte musical que estava pendente e dei novo rumo à carreira literária. Mas, e o sonho? Nada. O audiovisual não conseguiu acontecer, de novo. Depois de dois fracassos com parceiros em 2012 e 2013, acertei com dois novos em 2014, parecia promissor, mas durou pouco. Diferenças de estilo, de maneira de trabalhar. Ao menos a marca foi criada e em 2015 meu foco, energia e impulso será total para colocar a Aláfia Filmes na rua. Aláfia!


2014 foi o ano que eu não fui pro Carnaval, nem pro São João, faltei o Natal e dormi em casa no Réveillon. Assisti a Copa do Mundo pela tevê, como se ela estivesse na Sibéria, e não em meu país, na minha cidade. Ao menos torci pela Alemanha, assim como em 1990, e vibrei por cada um dos sete gols. Perdi o melhor professor que tive, o grande mestre André Setaro, e assoprei as cinzas de meu pai na Baía de Todos os Santos, com a Igreja do Bonfim ao longe. O poeta queria ser vento, e não pedra. No sopro, realizei a sua vontade, Mestre Dedé. Um pedaço de sua poesia e voz de sertanejo continuará aqui, para sempre.


Principal Feito de 2014


Produção do álbum duplo Hybrid, da banda The Orange Poem

-----

Livro do Ano 2014 
(dos que li - critério de gosto - não vale releitura)

Lançado em outro ano


Nelson Rodrigues
(Agir/2007)


Lançado no Brasil em 2014


João Filho
(Casarão do Verbo/2014)


10 livros prediletos lidos e relidos em 2014



Memórias - A menina sem estrela (Agir/2007), de Nelson Rodrigues

O grito da perdiz (Casarão do Verbo/2013), de Hélio Pólvora

A descoberta do mundo (Rocco/2008), de Clarice Lispector - releitura

O demônio do meio-dia (Objetiva/2002), de Andrew Solomon

Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo" (Companhia das Letras/2012), de David Foster Wallace

O reacionário (Agir/2008), de Nelson Rodrigues

A cabra vadia - Novas confissões (Agir/2007), de Nelson Rodrigues

Mar de Azov (Casarão do Verbo/2013), de Hélio Pólvora

O inédito de Kafka (Cosac Naify/2003), de Mayrant Gallo - releitura

A geração da utopia (Leya/2013), de Pepetela


Todos os 59 livros lidos e relidos este ano
(clique na imagem para ampliar)



-----

Filme do Ano 2014 
(dos que assisti - critério de gosto)

Lançado no Brasil em 2014


Ela
(Her - 2013)
Spike Jonze


Lançado em outro ano


A Grande Beleza
(La Grande Bellezza - 2013)
Paolo Sorrentino


10 filmes prediletos vistos em 2014



1) "Ela" (Her - 2013), de Spike Jonze

2) "A Grande Beleza" (La Grande Bellezza - 2013), de Paolo Sorrentino

3) "Rush: No Limite da Emoção" (Rush - 2013), de Ron Howard

4) "Relatos selvagens" (Relatos salvajes - 2014), de Damián Szifrón

5) "A Caça" (Jagten - 2012), de Thomas Vinterberg

6) "Nebraska" (Nebraska - 2013), de Alexander Payne

7) "Clube de Compras Dallas" (Dallas Buyers Club - 2013), de Jean-Marc Vallée

8) "12 Anos de Escravidão" (12 Years a Slave - 2013), de Steve McQueen

9) "Walt nos Bastidores de Mary Poppins" (Saving Mr. Banks - 2013), de John Lee Hancock

10) "Álbum de Família" (August: Osage County - 2013), de John Wells


Todos os 48 filmes vistos este ano
(clique na imagem para ampliar)



-----

Produções Emmanuel Mirdad 2014

Janeiro


Lançamento virtual do EP "Ground", 
da banda The Orange Poem

-

Abril


Lançamento virtual do EP "Unquiet", 
da banda The Orange Poem

-

Maio


Lançamento do livro "Nostalgia da Lama" (Cousa/2014) 
em Salvador-BA

-

Junho


Lançamento virtual do EP "Wide",
da banda The Orange Poem

-

Julho


Lançamento virtual do EP "Balance",
da banda The Orange Poem

-

Agosto


Lançamento virtual do EP "Ancient", 
da banda The Orange Poem

-

Setembro


Lançamento virtual do EP "Crowd", 
da banda The Orange Poem

-

Outubro


Lançamento virtual do álbum duplo "Hybrid", 
da banda The Orange Poem

-----

Produções CALI 2014

Outubro / Novembro


Flica - 4ª Edição (29/10 a 02/11)
Resumo aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…