Pular para o conteúdo principal

Pílulas dos livros de Mayrant Gallo (1999 a 2014)

Mayrant Gallo (fotos de Cosac & Naify, Ricardo Prado, Vinicius Xavier, Lima Trindade, Elieser Cesar, Gal Meirelles e divulgação, interferidas por Mirdad)

A seção Pílulas se despede do Blog do Ël Mirdad apresentando fragmentos de 11 livros do escritor baiano Mayrant Gallo, que tanto admiro. Em 2002, graças ao livro Pés quentes nas noites frias, decidi escrever ficção - até então, só produzia poemas. Entre 2011 e 2013, na Putzgrillo Cultura, produzi o projeto que culminou no lançamento do romance Os encantos do sol, patrocinado pela Petrobras e Minc/Governo Federal. Em 2014, Mayrant revisou meu livro de contos O grito do mar na noite, e ampliamos a parceria; ele continuará revisando meus livros, além de editá-los - detalhes em breve. E em 2015, montei uma antologia de contos de Mayrant Gallo intitulada de O abismo cor de chumbo, e participarei do projeto para publicá-la, visando uma grande editora nacional - considero o autor o melhor em atividade na Bahia.

Entre o final do ano passado e o início desse 2015 reli dez dos onze livros que tenho (dos lançados, só faltou Dia sim e sempre, de poemas), e resolvi terminar a seção Pílulas com essa pequena degustação que ofereço aos frequentadores do blog. Considero, dentre as obras lançadas (ele continuará a lançar livros, muitos!), O inédito de Kafka o melhor livro de Mayrant Gallo até então, e o seu melhor texto a premiada novela Moinhos, presente no livro Três infâncias. Boa leitura!

O inédito de Kafka
(Cosac&Naify, 2003)
Contos
Pílulas aqui
“(...) sempre tem alguém que faz antes de nós o que pensamos fazer”

-----------

Brancos reflexos ao longe
(Livro.com, 2011)
Contos
Pílulas aqui
“(...) seu destino mudara, embora continuasse o mesmo”

-----------

Três infâncias
(Casarão do Verbo, 2011)
Novela | Conto | Miniconto
Pílulas aqui
“(...) meu mundo era o eco dos meus passos sobre caminhos novo”

-----------

Pés quentes nas noites frias
(Funceb-EGBA, 1999)
Contos
Pílulas aqui
“A nudez esclarece as pessoas”

-----------

Cidade singular
(Kalango, 2013)
Contos
Pílulas aqui
“O Gordo tinha uma teoria: mulheres se deitam à noite com possibilidades e despertam pela manhã com frustrações”

-----------

Nem mesmo os passarinhos tristes
(Multifoco, 2010)
Minicontos
Pílulas aqui
“Disse que ia sair para comprar cigarros... E o fez mesmo. Voltou para casa e está dormindo”

-----------

O gol esquecido
(A Girafa, 2014)
Contos
Pílulas aqui
“Assombrava-me a afirmação de que o que acontece já aconteceu. De que o presente foi, o futuro é, e o passado será. De que o que se diz já foi dito”

-----------

As aventuras de Nicolau & Ricardo: detetives
(Penalux, 2014)
Minicontos
Pílulas aqui
“Não há sentido no espaço, nem no tempo, pois não há pessoas à vista”

-----------

Recordações de andar exausto
(Aboio Livre, 2005)
Poesia
Pílulas aqui
“O lado vazio da cama
É a presença humana
Que mais atemoriza”

-----------

Os encantos do sol
(Escrituras, 2013)
Romance
Pílulas aqui
“É preciso compreender que o culto ao passado muitas vezes não constitui um sintoma de fraqueza, nem de loucura, nem de tédio, mas a única opção que nos resta”

-----------

Dizer adeus
(Edições K, 2005)
Contos
Pílulas aqui
“Sempre preferi as mulheres às expressões de virilidade em meio aos homens ... Ainda hoje não troco um corpo de mulher por uma partida de futebol”

Comentários

Mayrant Gallo disse…
Obrigado, Mirdad! Isso só me entusiasma a continuar com meus projetos literários, que são muitos, alguns dos quais estão em curso e, depois de sua leitura, me fazem acreditar que são mesmo necessários, pois ao menos um leitor eles terão, o que é bastante, segundo Ricardo Piglia, para justificar a existência de qualquer obra literária ou humana. Abraço!
Lidi disse…
Parabéns, Mirdad, pela postagem das pílulas, que acompanhei com prazer. Grande escritor e ser humano admirável, o nosso amigo merece, sem dúvida, todas as homenagens. Um abraço.
Mirdad disse…
De nada, Mayrant. Foi um gesto de um fã, aluno e amigo, que torce por você e pela continuidade de sua obra. Você é meu mestre na literatura, muito obrigado!

Lidi, valeu pela presença e por compartilhar essas pílulas por aí. Merece sim, muito! Abraços aos dois!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"