Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Três infâncias, de Mayrant Gallo

Mayrant Gallo (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)


"Eu olhava os garotos com curiosidade. Já eles, não me olhavam. Por que olhariam? Estavam tão acostumados a si mesmos que não perceberiam nem sequer um aleijado. Por eles, o mundo bem que poderia ser só aquilo, um prédio murado com um portão de ferro que raramente transpunham (...) Mas, entre as diferenças que se nos interpunham, uma ao menos soava a meu favor, sim, e era a única, e foi com ela que eu cresci: meu mundo era o eco dos meus passos sobre caminhos novos" (pg. 27)

----------

"Tinha uma voz que jamais perdia de todo o poder de arrebatar. Nem mesmo, talvez, quando enfraquecida pela rouquidão de um resfriado ou pelo incômodo de um choro que se prolongou para além do normal (...) Tinha o atributo ilimitado de sempre estar presente, e reservavam-lhe vida eterna, para além da matéria e da morte, todos os homens que a viram por um só instante, num relance. Fui um desses seus adoradores de primeira ordem. Não consegui permanecer invulnerável às desordens de amor que ela provocava, nem às convulsões de ódio que não a amar nos imprimia. Cresci uma década, e sepultei outra, só por observá-la um minuto e ouvir-lhe a voz a um só tempo aveludada e áspera" (pgs 39 e 40)

----------

"Como acreditar num homem para quem palavras não passavam de meios de desculpas? Mas meu pai acreditou, ainda assim. Acreditaria sempre, confiava nos homens, em todos os homens, até nos mais baixos, sem caráter, sem escrúpulos, aqueles que gritavam quando por direito só lhes cabia o silêncio" (pg. 18)

----------

"Eu ainda não havia descoberto, ou talvez não tivesse compreendido muito bem, naquela época, o sentido do dinheiro. Sem ele, a mente não somava: subtraía palavras, silenciava, encolhia. E logo a pessoa se reduzia a um ombro que somente vagava e espreitava os desastres" (pg. 32)

----------

"É estranho como durante tanto tempo acreditei que faria isso, que furaria os garotos, e que furar alguém não implica coisa alguma. Hoje sei que não é bem assim, por mais ambíguo que seja o nosso país, a moral do nosso país. Você tem uma faca, faz com ela o que quer, mas sobre aquilo que farão com você depois não há controle... A mão que arrebata você é tão grande, e forte e cerrada, e você se sente tão oprimido e abandonado, que cedo lhe vem a compreensão, irrevogável, de que todas as pessoas têm direito natural à vida, não importa o que façam com ela. Você revê – ou relê – a vida e a compreende a partir do seu destino infame" (pgs. 36 e 37)

----------

"Naquela época, e especialmente naquele dia, eu faria de tudo por meu pai, até sangrar se fosse o caso. E pelo mais sórdido motivo. Por ele daria meu braço às agulhas, me exporia às navalhas.
Largou os olhos de sobre mim e os lançou contra o edifício do engenheiro. Um prédio alto, luxuoso, com interfone, portão automático e porteiro uniformizado de azul, num tom suave que não magoasse os olhos dos moradores. Seus vidros subiam contra o céu impotente, violando as nuvens. Olhá-lo nos dava vertigem. Admirá-lo nos fazia sofrer" (pg. 19)


Mayrant Gallo
(Casarão do Verbo/2011)


"Não era bonita, a mulher; nem mesmo sem roupa. Era incrível como algumas mulheres pareciam nascidas com a marca da feiura e da apatia, que, mesmo quando nuas, nada conseguiam despertar em quem as contemplasse. Aquela era assim. Vestida lembrava uma flor murcha; despida, uma sepultura" (pg. 46)

----------

"Ele dormira mal de noite. Vinha dormindo mal havia tempos. Preocupação em excesso, dor, indignação, repúdio, desânimo, ultraje. Não saber se hoje ou amanhã teríamos o que comer, se haveria trabalho, se receberia o dinheiro que tinha na rua, nas mãos de ricaços escrotos. Sim, pois todos aqueles que deviam algum dinheiro a meu pai moravam em luxuosos edifícios ou em mansões de um quarteirão inteiro, cercadas de muros altos com ferros pontiagudos, e carros importados tinindo de novo nas garagens de portas inexpugnáveis" (pg. 31)

----------

"Dona Matilde e Tia Elba foram à igreja pedir pela saúde de Vovô. Mas Deus já não ouve. Diariamente crucificado pelos homens, renega a face criadora e fenece sangrando eternas chagas" (pg. 80)

----------

"Tia Elba voltou ontem da Bélgica. Voltou contando vantagens. Na Bélgica tem isso, tem aquilo, aquilo outro... Por fim, Vovô perguntou:
– Na Bélgica tem banheiro?
– Claro que tem! – respondeu Tia Elba, horrorizada.
– Ah, sim! Pensei que fosse diferente" (pg. 74)

----------

"Em seu 79º aniversário, depois do jantar, Vovô sentou-se à varanda e chorou longamente – e em silêncio de gare. Não pela vida, que expirava, não pela idade, que, apressada, dava saltos enormes, não pelo corpo, já fraco e senil, em desespero... Chorava pelas crianças, que também envelheciam" (pg. 83)

----------

"Dudu sempre conversa sozinho, com seu amiguinho imaginário. Vovô também fala sozinho, com seus mortos, seus fantasmas. O companheiro que não se tem, o ente querido que se perdeu... Falar sozinho, estranha aptidão nesse e em qualquer outro mundo... E que só crianças e velhos e loucos podem e praticam, para além de qualquer estranheza, na luz" (pg. 85)

----------

"Nasce o sol sobre o dia, emprestando-lhe sentido. Na manhã, na praça vazia, silenciar de passos, os amantes tentam desesperadamente ter-se em vida, pois que estão morrendo a cada ato" (pg. 84)

----------

"Um homem e uma mulher têm mais a se oferecer que o frágil e frio ato de troca. Nem cães se amam desprovidos de voz" (pg. 75)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…