Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Pés quentes nas noites frias, de Mayrant Gallo

Mayrant Gallo (foto: Ricardo Prado - interferida por Mirdad)


"Ninguém foge da morte, do tempo, da velhice, tríade de canalhas numa trama que quer, a qualquer custo, o homem ... Impossível fugir deles. São implacáveis e estão em todas as épocas e todos os lugares. A morte reina absoluta, livre de rivais; o tempo é paciente e pouco se importa se é hoje ou amanhã; e a velhice, velha e exigente costureira, não tem pressa nenhuma de acabar sua rede de rugas. E assim vão vivendo, devastando o homem, que quanto mais foge mais se entrega" (pg. 12)

----------

"– Ontem nada, amanhã silêncio" (pg. 18)

----------

"A nudez esclarece as pessoas" (pg. 31)

----------

"Os fracos pulam de mulher em mulher e acabam exaustos, amargos, cínicos. O sexo é no fundo uma escada rumo ao cinismo" (pg. 116)

----------

"O corte no dedo, por sua vez, não deixara marca alguma. Quando o marido, no auge do desejo, o beijava, não percebia nada, nenhuma protuberância que o fizesse parar a carícia e perguntar qual a origem daquela cicatriz. Não, não havia cicatriz. E talvez seja esse o mal do mundo, o apagamento irremediável das cicatrizes" (pg. 40)

----------

"Afastada, com a calcinha na mão, Fátima esperava. Seu rosto estava sereno, entorpecido, quase diáfano, como o de um condenado que sabe que já não há mais esperança, que a bala vai entrar em sua cabeça logo, e num segundo a luz de seus olhos vai ser substituída pela escuridão plena, impenetrável" (pg. 103)

----------

"Presenciar a miséria humana definitivamente já não sensibiliza mais o homem. Se é que algum dia sensibilizou, de alguma forma. Pelas marcas úmidas da história, é mais racional dizer que presenciar a miséria humana inspirou o homem. Fabricou outras guerras, promoveu outros massacres" (pg. 118 e 119)


Mayrant Gallo
(Funceb-EGBA/1999)


"Jamais se esquece um amor que findou na morte" (pg. 133)

----------

"E o amigo sempre acrescentava: 'É o que pode haver de melhor na vida, passear as mãos pelo corpo de uma adolescente que ainda não perdeu dos olhos o mistério que os olhos querem perder a todo custo, na nudez coberta ou na dor sentida''' (pg. 116)

----------

"Quando afinal concordou em dormir com ele, não foi na verdade porque o desejasse ou o desejasse apenas aquela noite, mas sim porque dentro de si um incômodo a roía, espécie de fome, de sede, de calor. Estava triste, desanimada, pessimista. Olhava pela janela a cadeia de edifícios e pressentia nas vidraças apagadas o fim melancólico de uma vida de privações e fracassos" (pg. 70)

----------

"Assim ele sempre viveu, desde pequeno: entre o amor da mãe e a intolerância do pai, entre a escola e a rua, a bondade e a esperteza. Quantas vezes optou, quantas vezes sofreu, o pensamento colado ao caminho preterido. Agora lhe volta de novo esta dor, de não poder partir e ao mesmo tempo ficar" (pg. 30)

----------

"(...) saiu hesitante, fraco e assustado, do abismo de duas bocas que não tinham vontade de falar, muito menos de sorrir no andamento de nenhum tipo de jogo, por mais divertido que fosse. Do abismo de duas bocas que se calavam enfraquecidas, como dois brinquedos quebrados ou sem pilhas nas mãos de crianças incansáveis" (pg. 34)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…