Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 02 - Estranhos e Assustados, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"Ele trazia a cara de cavalo esticada e impassível, com o jeito orgulhoso de quem decidira voltar — e soubera voltar. Não desviava a cabeça para os lados; olhava à frente, como se no seu entender o mundo se resumisse a uma estrada, uma linha reta traçada para que ele a percorresse com os pés descalços e as botinas penduradas na mão, até que a morte surgisse e o fizesse tombar com o baque pesado de um cavalo — ou de um cedro"


"Ideias tolas previnem emboscadas, muita gente dá cabo de si própria por preguiça ou esquecimento de encompridar e afundar o olhar ... se bem regulado e prestativo, com aquela penetração aguda e instantânea de binóculo, aciona o sobreaviso, prolonga a vida"


"Farejava a morte com o focinho longo, as ventas amplas recolhendo odores de carne deteriorada, nos olhos antes faiscantes um brilho mortiço de velas. Não se enganava; mal a família vertia as primeiras lágrimas, Papa-Mel aparecia na casa. Entrava sem pedir licença, descobria o rosto do morto, com uma satisfação pasmosa, depois fechava-lhe os olhos, sereno e grave, com a ponta do indicado ossudo em que se agigantava a recurva unha negra. Banhava o morto, vestia-o para o sepultamento. Demorava-se o mais possível, um brilho místico nos olhos e um tremor nas mãos, a boca aberta mostrando dentes amarelos e afiados. Acompanhava o enterro de cabeça caída no peito e mãos cruzadas no ventre. As lágrimas, grossas como pingos de chuva, desciam à barba ruiva; entrelaçadas nos fios da baba, teciam cristalina teia. Tornou-se logo sinal de mau augúrio. Quando parava, ou simplesmente rondava a porta de um enfermo, a família benzia-se ... maldições choviam sobre ele, às vezes súplicas ... mas Papa-Mel não saía de perto. Sentado no meio-fio ou numa pedra, esperava o doente morrer. O diagnóstico não falhava nunca"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"A maldade se nutre de paciência"


"Porque havia adquirido um miado fino, longo, penetrante como uma punhalada ... Aquele miado sobressaltava, mesmo quando esperado, e feria, juntamente com os tímpanos do homem, os labirintos mais acústicos da noite em que ambos, homem e gato, encalhavam"


"A silenciosa e débil tropa está a caminho, carregada, e no seu desfilar lento, enfumaçado, parece fragmentos de névoa, espectros de almas penadas. Nos traiçoeiros caminhos reais cheios de pontilhões, muito burro despenca na água enlodaçada e tenta sair aos arrancos, aos coices, aos corcoveios. Mas a carga os empurra para baixo. Nesses casos, o tropeiro desce e retira a carga para salvar o animal. Ou em último remédio larga o animal no viscoso aperto da lama"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…