terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Pílulas: Parte 01 - O Grito da Perdiz, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"O avô ainda forte, quase mudo, abrindo a boca apenas para comer ou para uma risada repentina, entregue por completo â contemplação e por ela absorvido e nela fortalecido, os filhos criados e distantes, mas que ainda aparecem um a um, como se obedecendo a um secreto acordo entre si, para pedir-lhe ou tomar-lhe dinheiro à força, sempre que ele acaba de vender cacau. Por enquanto um desses filhos ainda não chegara do Sul, sem aviso ou qualquer outro tipo de anúncio, para se associar aos outros e decretar-lhe impedimento legal e vender-lhe a propriedade. O que sobrou deu pra alugar uma casinha pro velho em Itabuna, arranjar mulher que dele cuide, o que não o impede de cair da cama e quebrar a perna e morrer logo depois, consumido de desgostos”


"E Luzinete: "A fidelidade é invenção do ciúme, que por sua vez transforma o outro, o parceiro, em objeto de posse." Ficaram em silêncio, até ele perguntar: "Quer dizer que você não sente fidelidade por mim?" E Luzinete: "Enquanto gostar de você, serei fiel”. Enquanto, enquanto, por enquanto. É que ela não me ama, pensou então Cazuza. Pelo menos, não ama com a minha intensidade, com a minha paixão. E Luzinete, parecendo adivinhar-lhe o pensamento torvo, disse aquele dia, aquela vez: "Enquanto eu amar você, sou sua. Depois eu aviso, pra evitar encrenca. Não vá pensar que sua paixão por mim exige reciprocidade. Não posso oferecer o que não tenho, o que não terei. Se a gente se separar, continuo pensando em você, respeitando você, estimando você." E ele respondeu que não ia aguentar. "Aguentar? Mas se eu serei a mesma ... Apenas não estaremos mais juntos"


"Pobreza não é desonra e muito menos corrupção. O que corrompe de verdade, de tato, ipso facto, é a miséria, sobretudo a miséria moral, como disse o Sr. Artur da Távola ... Por pobreza eu entendo uma vida simples, digna, voltada para as coisas fundamentais. E quais são os fundamentos da vida? Ora, continuar, perseverar, multiplicar-se, ganhar o pão com o suor honrado de cada dia, edificar um teto, educar os filhos e participar utilmente da comunidade ... Mas existem pessoas que não respeitam nossa pobreza, que querem nos empurrar, nos escorraçar para a miséria. Isso é maldade ... O céu e o inferno, o bem e o mal, a verdade e a mentira — suspira agora o Surdo, a cabeça pendida para o peito, a mão torcendo um botão da camisa listrada — Opções que, a pretexto de reger o pacto social, são em verdade instrumentos de mando, poder, cobiça e acumulação"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"A desgraça alheia é o investimento seguro do capitalista desalmado"


"— Madrinha, por que a distância é azul?
Ela respondia que o azul estava em tudo, cercando a gente como água. Apenas a gente, por estar dentro, como num aquário, nao percebia o azul. Esse azul somente se adensava e se condensava a distância. A nossa vista, imperfeita para o derredor, para o cerco intimo do azul, torna-se perfeita, aguda, ferina, quando se trata de varar distâncias. O mundo se junta lá longe como as peças de uma composição harmoniosa"


"Está iniciada a conversa. Com alguns gestos e frases curtas serei capaz de alimentá-la como se chegasse lenha a um fogo fraco. Somente em último caso eu me levanto, aproximo a boca da orelha peluda do Surdo e grito. Umas vezes ele ouve, como se o som lhe chegasse de um fio suspenso desde o fundo do poço; outras vezes me obriga a repetir. Não gosto disso: a orelha não cheira bem, tem um odor de carne que deixou de ser fresca e que, graças ao sal, ainda não arruinou"


"Sua asma, em vez de regredir, cresceu forte e traiçoeira como a de seu pai. Às vezes os dois chiavam ao mesmo tempo, como se tocassem concerto de piano e violoncelo. O peito de ambos era um depósito de pios monossilábicos e polissilábicos, sonoros e estridentes, secos e catarrentos. E a tosse convulsiva se desdobrava, muitas vezes, em acessos longos que os deixavam dobrados em dois, a respiração por um fio, os olhos encovados e no rosto a lividez dos torturados"

Nenhum comentário: