Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - O Grito da Perdiz, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"O avô ainda forte, quase mudo, abrindo a boca apenas para comer ou para uma risada repentina, entregue por completo â contemplação e por ela absorvido e nela fortalecido, os filhos criados e distantes, mas que ainda aparecem um a um, como se obedecendo a um secreto acordo entre si, para pedir-lhe ou tomar-lhe dinheiro à força, sempre que ele acaba de vender cacau. Por enquanto um desses filhos ainda não chegara do Sul, sem aviso ou qualquer outro tipo de anúncio, para se associar aos outros e decretar-lhe impedimento legal e vender-lhe a propriedade. O que sobrou deu pra alugar uma casinha pro velho em Itabuna, arranjar mulher que dele cuide, o que não o impede de cair da cama e quebrar a perna e morrer logo depois, consumido de desgostos”


"E Luzinete: "A fidelidade é invenção do ciúme, que por sua vez transforma o outro, o parceiro, em objeto de posse." Ficaram em silêncio, até ele perguntar: "Quer dizer que você não sente fidelidade por mim?" E Luzinete: "Enquanto gostar de você, serei fiel”. Enquanto, enquanto, por enquanto. É que ela não me ama, pensou então Cazuza. Pelo menos, não ama com a minha intensidade, com a minha paixão. E Luzinete, parecendo adivinhar-lhe o pensamento torvo, disse aquele dia, aquela vez: "Enquanto eu amar você, sou sua. Depois eu aviso, pra evitar encrenca. Não vá pensar que sua paixão por mim exige reciprocidade. Não posso oferecer o que não tenho, o que não terei. Se a gente se separar, continuo pensando em você, respeitando você, estimando você." E ele respondeu que não ia aguentar. "Aguentar? Mas se eu serei a mesma ... Apenas não estaremos mais juntos"


"Pobreza não é desonra e muito menos corrupção. O que corrompe de verdade, de tato, ipso facto, é a miséria, sobretudo a miséria moral, como disse o Sr. Artur da Távola ... Por pobreza eu entendo uma vida simples, digna, voltada para as coisas fundamentais. E quais são os fundamentos da vida? Ora, continuar, perseverar, multiplicar-se, ganhar o pão com o suor honrado de cada dia, edificar um teto, educar os filhos e participar utilmente da comunidade ... Mas existem pessoas que não respeitam nossa pobreza, que querem nos empurrar, nos escorraçar para a miséria. Isso é maldade ... O céu e o inferno, o bem e o mal, a verdade e a mentira — suspira agora o Surdo, a cabeça pendida para o peito, a mão torcendo um botão da camisa listrada — Opções que, a pretexto de reger o pacto social, são em verdade instrumentos de mando, poder, cobiça e acumulação"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"A desgraça alheia é o investimento seguro do capitalista desalmado"


"— Madrinha, por que a distância é azul?
Ela respondia que o azul estava em tudo, cercando a gente como água. Apenas a gente, por estar dentro, como num aquário, nao percebia o azul. Esse azul somente se adensava e se condensava a distância. A nossa vista, imperfeita para o derredor, para o cerco intimo do azul, torna-se perfeita, aguda, ferina, quando se trata de varar distâncias. O mundo se junta lá longe como as peças de uma composição harmoniosa"


"Está iniciada a conversa. Com alguns gestos e frases curtas serei capaz de alimentá-la como se chegasse lenha a um fogo fraco. Somente em último caso eu me levanto, aproximo a boca da orelha peluda do Surdo e grito. Umas vezes ele ouve, como se o som lhe chegasse de um fio suspenso desde o fundo do poço; outras vezes me obriga a repetir. Não gosto disso: a orelha não cheira bem, tem um odor de carne que deixou de ser fresca e que, graças ao sal, ainda não arruinou"


"Sua asma, em vez de regredir, cresceu forte e traiçoeira como a de seu pai. Às vezes os dois chiavam ao mesmo tempo, como se tocassem concerto de piano e violoncelo. O peito de ambos era um depósito de pios monossilábicos e polissilábicos, sonoros e estridentes, secos e catarrentos. E a tosse convulsiva se desdobrava, muitas vezes, em acessos longos que os deixavam dobrados em dois, a respiração por um fio, os olhos encovados e no rosto a lividez dos torturados"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…