Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 03 - O Grito da Perdiz, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"O amor acontece de repente, de estalo, é um estado de graça, um prêmio que requer do contemplado o zelo de sua guarda e posse e intensidade. Lutar pelo amor, impedir que o amor esmoreça, que a paixão inaugural vire fogo de palha, que as dificuldades normais da vida esvaziem ao invés de unir mais ainda macho e fêmea. Sim, o amor desafia quem ama de verdade a preservar-lhe a permanência — e isso tanto vale para o macho como para a fêmea. Nada de frescuras, de cabeças viradas. Se um homem e uma mulher se gostam hoje, então têm o dever de se gostarem também amanhã, ou pelo menos se esforçar para isso. Só acaba o amor que não há, ou que se disfarça na simples amizade ou na conveniência ou no hábito. Porra, é preciso merecer o amor"


"Aquele perigo maior, a cobra, aquela manifestação de mal supremo, a cobra que se alteia sobre a cauda para picar e matar, queria apenas dizer que ele fora escolhido para viver e sobreviver, brigar e amar e odiar e perdoar conforme a circunstância de seus orgasmos interiores; para durar muito, fertilizar mulheres, gerar filhos; para acumular sabedoria e amolecer o coração na prática da piedade e paciência e tolerância. Talvez porque os elementos e os seres espalhados no bosque de cacaueiros, dissimulados ou tão visíveis que ele não os pôde então enxergar, nele identificassem o amigo, o companheiro, o aliado e o conspirador. Mais que isso: o crente, o peregrino que desde o seu amanhecer retorna cheio de reverência às fontes da vida — e se purifica e se apazigua"


"... como se um homem de coração mole e vontade fraca fosse capaz de esquecer suas doenças e esquisitices para ir cobrar pagamentos de promissórias e extorquir juros de tomadores velhacos. Havia nadado muito para morrer na praia. Além disso a mulher partira antes, deixando-o sozinho e desatinado, sem aquelas rédeas invisíveis que o sofreavam sem ele sentir, sem as esporas invisíveis que lhe triscavam o flanco sem abrir feridas; deixando-o sozinho com o seu controle rígido, tão rígido que não deixava entrever a existência de uma brecha por onde escorreria de repente aquele esforço, aquela continência e abstinência represados"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"O metabolismo de Itabuna vai empurrando para os arredores parcelas de habitantes anônimos, tal como um organismo sente necessidade de criar tumores para expelir substâncias indesejadas e abrir a pele à saída do sangue ruim"


"Ainda bem que a Celestina se imagina cão e sai latindo pela casa. Imaginem se ela entra em transe e jura que viu Nossa Senhora. Ia ser uma tal de romaria por aqui que eu tinha de vender a fazenda pra não ver tanta gente estranha pisando no meu chão, mexendo no que é meu, cheirando o que me pertence. Chegava logo um padre pedindo dinheiro grosso pra construir uma capela no lugar da aparição. Felizmente a menina resolveu virar cachorro, se e que não foi descabaçada dentro dos matos e inventou essa mania pra enganar o pai e as irmãs, ou como penitência"


"Ele no silêncio, no cu do silêncio, ele próprio o silêncio, quebrando sem querer o silêncio, o pesado silêncio que parece significar a respiração subitamente suspensa de um peito estertoroso. O silêncio que se vai despojando do azul quanto mais ele avança e devassa seus esconderijos e distende suas dobras e sente o cheiro ora doce ora apodrecido de suas rotundas intimidades"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…