Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 03 - Estranhos e Assustados, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"Aparecida era do mar. Gostava de olhar o mar, horas seguidas, sentada num rochedo ou na areia, joelhos dobrados, a cabeça pousada nos joelhos. Suponho que tirava sabedoria de seus mudos diálogos com o mar – mas o que esperava, afinal, que o mar lhe segredasse? Se nos escuta, coisa de que duvido, o mar nada responde, porque simplesmente existe, e sua existência tem provavelmente a idade da Terra e enche uma eternidade de monólogos. Quanto muito o mar lhe dirá: “Não me pergunte, que de nada sei. Apenas sei que sou imemorial”. Aparecida voltava sempre com um doce sorriso de seus enlevos marinhos. Ou o mar lhe segredara algo em língua inaudível, ou a sabedoria estava apenas nela, e precisava apenas que uma onda a lambesse, para vir à tona"


"A noite é uma tela negra, sem bordas nem fundo, e que de súbito se enche de movimento: imagens lentas, arrastadas, inaudíveis — um cinema sem som. Cenas em vagarosa sucessão que o idealizador do tempo e o arquiteto da memória se esqueceram de animar"


"Pelo repinicar das sinetas se conhece a tropa ... na sua débil marcha, parece flutuar, assume formas esgarçadas de assombração. Elas são dez, quarenta, noventa. Cruzam e recruzam a região cacaueira da Bahia, desde o século passado, e não param de entregar cacau seco. Ainda não pararam, condenadas estão às estradas firmes e aos atoleiros e mata-burros da nossa lembrança ... na ausência dos vultos de mais de cem anos, dos burros que viajam noite e dia sem parar, com as seis arrobas nas cangalhas, em marchas que duram cinquenta, cem, cento e vinte anos, ouvimos então os gritos: estalos de relhos, roçar de cordas e cilhões apertados, o alarido jubiloso das sinetas, o trovão dos cascos em solo duro, os gritos dos tropeiros. É a débil tropa que, agora desencarnada, persegue a sua sina de carregar cacau na trevosa memória grapiúna"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"O imaginário se robustece em ilhas paradisíacas. O Mal é o contrapeso de que se precisa para medir uma felicidade insuspeitada"


"Voltou à poltrona, sepultou-se outra vez e pensou nos livros que tinha comprado a crédito. Gostava de abri-los com a espátula e então cheirar as páginas onde se uniam à lombada, em ângulo e vórtice idênticos ao supremo sacrário que as mulheres guardam na junção das coxas e ventre. — Sabes abrir? Desperto, tentou apegar-se a resíduos de sua realidade. — Perdão?"


"A procissão expulsava do rosto dos enfermos a sombra sinistra da morte ... viam Papa-Mel, o emissário da Morte, passar atado a um pau. E pensavam, esses enfermos crônicos, em restos de vida, na velhice chegando tranquila sem a presença de Papa-Mel sentado na calçada à espera de que a morte empunhasse a foice para então entrar na casa do defunto, banhar e vestir o defunto e carpir. Chorava mais e talvez com maior sentimento do que a família inteira"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…