Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 02 - Massacre no Km 13, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"Prefiro a lucidez que me corrói e me dilacera e me engrandece"


"Ele é o meu homem. E como pensa em foder. O meu porco, o meu canalha ... Uma noite, recordou, no início da nossa relação, ele conseguiu me fazer gozar muito. Tive um orgasmo violento, gritei. E depois, com as lágrimas escorrendo pelo rosto, manchando a pintura, eu prometi lavar as meias dele, prometi passar a roupa dele a ferro e disse: eu sou a sua puta ... Para algumas mulheres, ela pensou, o orgasmo é a busca do Santo Graal, como diz aquele horóscopo realista de um tal Igor Petrovsky, que comprei outro dia na banca de jornais. Eu, Lady Godiva. Eu, a vestal em busca do Templo perdido. Eu. Eu. Eu. Animus et anima"


"Veio o café. Mais um sinal para que acendessem novos cigarros e se olhassem de maneira muito casual, e trocassem palavras e comentários banais, desses que logo se esquecem, e matassem o  tempo, ali um diante do outro, sem ter muito o que dizer, à espera do momento de sair, entrar no carro, voltar ao apartamento. Onde ela, deitada na cama larga, de florido lençol por ele comprado num supermercado ... olharia o teto, cravaria no teto os olhos de verruma, perfurantes, e, quando cansada de mirar o teto e de coçar a cabeça e de pensar em tantas coisas, se levantaria para abrir uma revista ao acaso, olhar ilustrações, folhear um livro, fazer uma discagem direta a distância. E onde ele, com o cobertor puxado até o pescoço, ou o meio do peito, dormiria ou fingiria dormir, como se devolvido, na umidade gotejante da tarde, ao quente útero da vida em gestação"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"O menino que masca fumo, depois de cochichar com Ciríaco, vai ao armazém e volta com uma marreta e um cepo de jaqueira ainda verde. O garimpeiro se pega com todos os santos, pede pela minha mãe, pela luz que me alumia, pela felicidade de meus filhos. Eu tenho nada com isso? Falei com Ciríaco, dei carta branca a ele, por causa de Do Carmo, que nem pode andar, esfolada por dentro e por fora. Puxam a calça do garimpeiro, sujeitam o homem, põem os bagos em cima do cepo e afastam a rola.
— Vi capar muito garrote assim, no sertão — diz Donga.
Ciríaco levanta a marreta.
— Esfarelou — diz Joana.
Por hoje chega"


"— Regina? Pensa que eu estou bem? Sabe há quanto tempo eu não beijo uma mulher, não abraço uma mulher? Dois meses.
— Sinto muito, Mário. Sinto mesmo. Você me perdoe.
— Perdão é o que todos querem.
— Escute, Mário, isso não pode continuar assim. Saia, arranje mulher.
— Como?
— Uma prostituta. Não arranje mulher direita, namorada sua, porque assim eu teria ciúme. Mas com uma mulher de rua eu não me importo. Já que não estou dando assistência a você, eu concordo. Pegue uma mulher dessas, dê uma trepada de vez em quando"


"Arre, a filha não é só minha, eu apenas pari, e não foi por obra única do Espírito Santo. Se ela não tem juízo, se não conhece o seu lugar, se é uma assanhada que não distingue homem, que se envolve com quem não presta, cabe ao marido, ao chefe da família, fechar a cara, encerrar o escândalo, cortar o mal pela raiz antes que seja tarde, antes que a vizinhança comece a digerir prato tão suculento"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…