Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - Noites Vivas, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"Que é, afinal, um filho?, pergunto à minha braguilha, à cinza do meu cigarro. Um filho, me responde o remoto suco que percorre minhas glândulas, é apenas uma manifestação de orgulho. Nele pretendes realizar o que quiseste ser, mas não foste e que nunca serás. Um filho é uma clamorosa inutilidade. Pões nele o egoísmo de uma permanência na face da Terra, mas dia virá em que ele te olhará de frente e perguntará: por que nasci? Ou, então, concluirá irritado: afinal, eu não pedi para nascer. E assim ele condenará a tua e a sua inutilidade"


"Eu sempre considerei o mar ótimo interlocutor, porque me ouve com paciência, de quando em quando me dá trela. Em geral, confio minhas mágoas ao mar, ele me ouve calado e arqueia o dorso em sinal de solidariedade. Os interlocutores humanos ouvem apenas suas vozes interiores, nos atropelam e fazem ouvidos de mercador quando queremos interpelar. Não permitem, também, orações intercaladas"


"Sou um estranho no lugar ainda pequeno, o forasteiro que chega para fechar negócio escuso, visitar parentes, roubar mulher moça, talvez matar um velho inimigo a tiros. Comércio apagado, disperso, sobretudo durante as horas de forte incidência do sol. Uma praça em que o sol projeta no cimento sombras raquíticas de árvores enfezadas; casas grudadas entre si, na mesma imaginação pobre de uma porta e duas janelas, como se servissem de amparo para continuar de pé, na guarda do sigilo de homens e mulheres enfurnados ... Se eu quiser atrair ainda mais a novidade dessa gente, não pedirei informações. Depois de errar uma hora por becos e ruelas, traçando um círculo e alargando-o em volta da praça, darei com a casa de Justino de Palestina, tão certo quanto já prenuncio meus gestos ao chegar: primeiro, arrastar os sapatos no cimento, para me livrar de alguma provável bosta de boi, em seguida bater palmas. Pena que as poucas pessoas surpreendidas às portas e janelas já me estejam olhando demais, com tal fixidez que me transformam, de súbito, em comparsa de mim mesmo, dando-me a consciência aguda dos mínimos gestos, movimentos e vacilações. Decido ir logo à farmácia para orientar-me com o compadre de Justino. Em meia hora de conversa ficarei sabendo, com certeza, o que já sei, mas a experiência me ensinou que as interpretações pessoais dos fatos são mais ricas — quase sempre mais verdadeiras — que os fatos na sua corriqueira rotina humana"


"Tenho o coração disposto a aceitar tudo, não por inclinação à harmonia, senão por tédio à controvérsia"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"Investir tempo e amor em estudante pobre é investir nas cotações mais ínfimas da pobreza"


"Todas as mulheres possuem no baixo-ventre, na região das virilhas, a conveniência de um talho por onde os seus filhos costumam sair espremidos como a cabeça de um tumor e receber o primeiro choque da vida, que é a claridade. Por que este demora tanto? Teria crescido desmesuradamente ou, na ânsia da libertação final, inteiriçou braços e pernas, enovelou-se à porta do seu conduto?"


"Pode seguir o trilho do bonde, preferir a Baixa dos Sapateiros, subir o Pelourinho, alcançar a Sé. A cidade é íntima, aconchegante. Se desaba uma chuva, uma pancada comum nos prolongamentos do verão, todos correm para as marquises, ali se misturam estudantes, moças do comércio e homens que transformam os braços em cabides de guarda-chuvas novos, oferecendo a mercadoria em redor; vendedores de pentes, lâminas de barbear e pornografias, mulheres de pequenos industriais, fregueses de gravata que aproveitam o contratempo para manusear discos, peças de fazenda, objetos de louça. Todos unidos, apertados, a sexualidade grupal da cidade descontraída ... quando a chuva parar, debruçar-se simplesmente nas amuradas junto do Elevador Lacerda, estender a vista para a cidade que, no sopé da montanha, coleia — uma sujeira de telhados engastada na oferta do mar verde-garrafa"


"O fato é que, quando entrei de novo em casa, iam adiantados os preparativos para a noite de sono. Meus irmãos já se haviam recolhido aos seus quartos; apenas uma lamparina de globo enfumaçado ardia na varanda, criando ao seu redor, na escuridão circunjacente, um halo de luz semelhante ao de um farol fixo que assinala no ermo a solidão de uma alma ou o convívio aconchegante de criaturas humanas"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…