Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais queridos álbuns, livros e filmes


ÁLBUNS - TOP 10

01) Legend (1984) - Bob Marley & The Wailers

02) The Wall (1979) - Pink Floyd

03) In Rainbows (2007) - Radiohead

04) () (2002) - Sigur Rós

05) A Tempestade (1996) - Legião Urbana

06) August and Everything After (1993) - Counting Crows

07) Tidal (1996) - Fiona Apple

08) Bringing Down the Horse (1996) - The Wallflowers

09) Sempre ao Vivo (1999) - Flávio José

10) Led Zeppelin (1969) - Led Zeppelin


Legend é o mais importante pra mim porque foi o primeiro. Inclusive passei todo o ano de 1996 com ele em fita K7 tocando em repeat eterno num walkman. Tenho outros prediletos (não devo ouvir Legend há anos) como Survival, Uprising, Exodus, etc., mas essa coletânea do mestre maior da música pra mim (e sua espetacular banda) me marcou como o início do credo.


Agora The Wall é a melhor obra de rock da história, In Rainbows, () e A Tempestade são os melhores das discografias de suas bandas, o homônimo do zepelim é um dos top five de álbum de estreia de rock da história, August and Everything After e Bringing Down the Horse foram vícios do final dos anos 90 pra mim (repeat eterno por muito tempo e ainda hoje ouço e fico viciado de novo), Sempre ao Vivo foi a trilha de várias festinhas que fui no início da era negra da Facom/Ufba e marcou minha redescoberta pelo forró, tornando-me um forrozeiro raiz tal qual meu saudoso pai mestre (e que abandonei depois que o bizarro forró roda-roda contaminou a nordestinidade), e Tidal mereceu até um post no meu blog (veja aqui)



LIVROS - TOP 10

01) Estação Infinita e outras estações (2012) - Ruy Espinheira Filho

02) Melhores contos (2011) - Hélio Pólvora (seleção de André Seffrin)

03) Mayombe (1980) - Pepetela

04) Como Ficar Sozinho (2012) - Jonathan Franzen

05) O Jogo da Amarelinha (1963) - Julio Cortazar

06) 50 contos (2007) - Machado de Assis (seleção de John Gledson)

07) Pornopopeia (2009) - Reinaldo Moraes

08) O Óbvio Ululante (1968) - Nelson Rodrigues

09) A Descoberta do Mundo (1984) - Clarice Lispector

10) Retratos Imorais (2010) - Ronaldo Correia de Brito


São dois livros de crônicas (Nelson Rodrigues e Clarice Lispector), três de contos (Hélio Pólvora, Machado de Assis e Ronaldo Correia de Brito), três romances (Pepetela, Julio Cortázar e Reinaldo Moraes), um de ensaios (Jonathan Franzen) e uma obra completa de poesia (Ruy Espinheira Filho). 


Escolhi as seleções de André Seffrin e John Gledson porque foram o meu primeiro contato com os contos dos grandes mestres, os bruxos de Itabuna e do Cosme Velho, assim como no livro de ensaios e nos três romances, primeiros contatos com as obras do conceituado norte-americano, dos mestres angolano e argentino, e do comparsa e também gênio paulistano, o que me marcou muito, modificou minha escrita e me fez ler muito mais dos autores. De toda a obra dos referenciais anjo maldito e grande dama da nossa literatura, as crônicas têm o meu melhor afeto. O conto "Catana", do amigo pernambucearense, tem o meu eterno desejo de adaptá-lo pro cinema e o carinho dos seus retratos imorais. E a obra completa do grande mestre baiano da poesia estragou-me para todo o sempre.



FILMES - TOP 10

01) (8½ / 1963) - Federico Fellini

02) Eyes Wide Shut (De Olhos bem Fechados / 1999) - Stanley Kubrick

03) A Clockwork Orange (Laranja Mecânica / 1971) - Stanley Kubrick

04) Dogville (Dogville / 2003) - Lars von Trier

05) The Godfather I & II (O Poderoso Chefão I e II / 1972 - 1974) - Francis Ford Coppola

06) Amour (Amor / 2012) - Michael Haneke

07) No Country for Old Man (Onde os Fracos Não Têm Vez / 2007) - Coen Brothers

08) La Piel que Habito (A Pele que Habito / 2011) - Pedro Almodóvar

09) Citizen Kane (Cidadão Kane / 1941) - Orson Welles

10) El Secreto de Sus Ojos (O Segredo dos Seus Olhos / 2009) - Juan José Campanella


Fellini é o meu grande mestre do cinema e o impacto de exibido na sala da Facom/Ufba na aula do mestre André Setaro mudou a minha relação com a arte maior para sempre. Se fosse por admiração ao cineasta italiano, teriam vários filmes nesse top ten, mas resisti fortemente. Mesmo assim, pus dois filmes do mestre Kubrick na lista porque a paranoia e a laranja me formaram enquanto cinéfilo, e os dois primeiros Godfather considero como um filme só (assim como os três de "O Senhor dos Anéis" são um filme só).


Dogville, Amor e Cidadão Kane são uma aula de cinema, Onde os Fracos Não Têm Vez traz um dos melhores personagens de todos os tempos, numa atuação soberba do ator Javier Bardem, A Pele que Habito é um thriller espetacular, o filme que mais gosto do Almodóvar, e O Segredo dos Seus Olhos é um dos filmes que mais me encantaram, que eu não canso de apresentar para as pessoas que ainda não o viram (a ligação afetiva é profunda).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…