Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - Estranhos e Assustados, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"Distâncias significam chamados. E ai de quem não os atender: ficará sob forma de pendência, pelo resto da vida, o caminho que não foi trilhado, a chegada que não se consumou"


"Nós nos olhamos como duas feras indefesas e, no entanto, propensas ao ataque. Um homem e uma mulher que se encontram e se arrimam na queda, iguais a duas pedras na encosta. Ela levanta a saia. Está pronta. Estava pronta. Neste mundo até as pedras se aconchegam, se acasalam; basta rolar, haverá sempre o desejado empecilho ... Viramos e reviramos no catre, duas pedras macias, crespas e rijas, mornas. Pedras. Atrito e carinho ... Margarida passa por mim de olhos baixos. Faz questão de não me ver, as pedras se soltaram para outra vez rolar sozinhas. Assim é, decerto assim será ... Margarida entra num automóvel preto. Não olha uma só vez para trás. Estou condenado a despencar, a despencar como pedra solitária, encosta a baixo. Não sei quem ou o quê me deterá"


"Leio versos compridos que narram façanhas de Lampião. Aquele sim, tinha tutano, sangue quente. Adiantou? Mas também o que adianta não tentar? Sirva-se, homem, ponha a vergonha de lado. A vida é um prato de comida que umas vezes lhe empurram, outras vezes lhe negam – e você tem de buscar"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"Admirava-se cada vez mais da facilidade com que a espécie mulher vê antes de ser vista, percebe antes que a sinalizem. E nelas não há olhar mais devassador do que o olhar de banda ou de soslaio. Seguem em frente, aparentemente altivas e sobranceiras, mas veem dos lados e atrás. Periscópios? Talvez. Todos elas antenadas, as mais desprovidas recorrem ao retrovisor invisível que o sexo lhes deu. É natural, precisam defender-se da presa e açular a fera"


"O coronel seu pai, metido num terno de brim quadriculado, o paletó mal sobrando para se fechar no ventre e mal atingindo a cintura, passeava nas calçadas, de mãos trançadas nas costas — aquela cidade que ele, quando menino, ajudara a fundar. O olhar se dirigia instintivamente para os armazéns que cheiravam, principalmente no fim das tardes e durante as noites, que é quando os cheiros bastardos das ruas se dissipam para que predomine o cheiro penetrante, doce e amargo, mistura de suor e lágrimas — o cheiro balsâmico do cacau, que está em nós, perfume dos nossos corpos, incenso de almas. Pois o coronel tinha naqueles armazéns pilhas de cacau seco, montes escorregadios de lisas amêndoas que desmoronavam a qualquer sopro ou movimento"


"Uma ilha é um refúgio cercado de água e espantos por todos os lados, e quanto mais isolado, tanto melhor. Talvez a nossa seja a última ilha sem amarras – aquela que preferiu ancorar por si própria longe dos muitos aglomerados do Continente. Somos pescadores, apenas pescadores, como aqueles do Mar da Galileia. Ciumentos da nossa Ilha, e da paz que aqui reina, queremos aqui envelhecer sozinhos, como os frades do Farol, e sermos sepultados no cemitério de areia, onde é mais fácil cavar os sete palmos"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…