Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - Massacre no Km 13, de Hélio Pólvora

Hélio Pólvora (foto: Vinícius Xavier - interferida por Mirdad)


"O diabo é que estou sempre querendo a mulher que não tenho, a mulher que não vejo — ou a outra, a que perdi"


"O farmacêutico tem fama de sedutor, só lhe interessam as virgens, e uma vez arrancada a pétala daquela flor rara desabrochada na estufa das coxas, ele se distancia, consegue fugir à responsabilidade, pensa em outra — e se for acuado, paga em dinheiro a honra colhida. Agora segue de longe, com olhar avaliador, a moça que passa, enquanto coça o baixo-ventre"


"... cidade apinhada onde corpos se tocam, se roçam, se esfregam, a cidade altamente grupal, ruas sempre entupidas, suores, mistura, aconchego e agonia, a cidade que só se esvazia quando cai uma chuva forte, de um dia inteiro, de três dias seguidos. Então, com as ruas alagadas, transporte escasso, aquela gente toda, brancos, pretos e mulatos, parece desaparecer como por milagre, entrar nas casas e nos apartamentos, sumir como ratos molhados em tocas ... Caí no mundo. Caí no oco do mundo. Entrei nos apodrecidos intestinos da cidade e me misturei com a merda nas ruas, nas calçadas, nos jardins públicos. Senti o odor forte da urina a céu aberto. Cagalhões nas esquinas, ressequidos ou frescos, regatos de urina lentos a rolar nas manhãs de carnaval"


"Ciríaco sopesa os culhões do garimpeiro e mira, com a quicé, o rego, isto é, aquele cordãozinho de carne rosada entre os dois ovos.
— Meu Padim Ciço — grita o garimpeiro.
— Acho que este aí é do Ceará — diz Donga.
O sangue espirra, escuro. Joana solta uma risada nervosa. Não sei porque as mulheres gostam de ver capar boi, capar cachorro, capar frango, essas coisas"


Hélio Pólvora
(Casarão do Verbo - 2013)


"Quando ele demorava a chegar de suas noitadas na cidade, com toda certeza em casa de mulheres-damas, eu via pela frincha da janela coar-se uma réstia de luz acinzentada. Somente olhos experimentados como os meus e nos zelos do ciúme sem remédio poderiam descobrir a madrugada em formação. Eu me assustava. Tão tarde assim?"


"Aonde ir, para onde ir, o que fazer, a quem encontrar, a quem recorrer? Em quem despejar, em suma, sob a forma de um líquido viscoso, essa agonia que me queima? ... A salvação da família brasileira está nas pequenas cidades do interior. Quanto menor a cidade, menos sujeita ao fenômeno, já detectado por psicólogos e outros, da desagregação familiar. Sim, aqui nesta cidadezinha à beira-mar, tão exposta aos ventos que deixam em seus edifícios manchas de maresia, todos devem ser casados, todos chegam em casa cedo, vestem pijamas ou camisolas, jantam e se sentam diante do televisor; e depois, com um bocejo de desgovernar o queixo, convoca-se a mulher para a cama. Bendita existência. Aqui não há lugar nem vez para putas. Pergunto a um motorista de táxi, eles sabem de tudo ... O homem me indica um bairro, uma casa determinada"


"A Ladeira de São Bento dança, invertida, como se um anjo gordo e grande, um anjo nu, um anjo preto de Emmanoel Araújo carregasse nas costas a Cidade do Salvador, e de repente o céu fosse o chão, as ruas estivessem no lugar do céu. Como na brincadeira do espelho. Alguém (pelo forte cheiro de suor é homem) o segura pelo meio, a parte de cima de seu corpo se dobra, parece que a espinha vai se partir. Outra pessoa lhe ampara a cabeça. Agora está melhor, tem vontade de se recostar e dormir pra acordar descansando em dia de sol, sem nada pra fazer, praia e mar, sol e mar, cheiro de peixe, vislumbre de vela de saveiro, lambretas em mesa de botequim sujo onde esvoaçam moscas impertinentes"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…