Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Heródoto, IV, 196, de Reinaldo Santos Neves

Reinaldo Santos Neves (foto: Fábio Vicentini - interferida por Mirdad)


"Fiz dez segundos de silêncio: suicídio sempre extrai de mim um silêncio de reverência. O silêncio que espero que um dia façam por mim, quem sabe"


"Rebaixando os olhos com simulada modéstia, acrescentou que uma noite, num hotel de Reims, onde passou com Lucien um final de semana, sucedeu que, depois de uma sessão de amor especialmente ardorosa - e clamorosa -, o casal ouviu aplauso vindo lá de baixo. Lucien chegou à sacada para ver o que era. Voltou dizendo que hóspedes e empregados do hotel, reunidos na rua, estavam batendo palmas para o desempenho de ambos na cama. E levou-a pela mão à sacada, onde Diana, entrecoberta apenas por um lençol, recebeu demorada ovação. Confesso, disse-me ela, que não é da minha natureza fazer amor em silêncio"


"Tive esperança de que ele me desse asilo como a uma refugiada: como a uma apátrida. Bastava que ele me estendesse a mão - o mesmo gesto com que me estendera o quarteto de poemas ... No entanto, vi nos seus olhos que ele achava tudo aquilo um despropósito. E era mesmo. O que eu estava fazendo ali era o absurdo de me oferecer como noiva a um homem que mal conhecia - um poeta que escrevera quatro sonetos sobre meu cabelo e nada mais. Druso teve a santa decência de não me estender a mão. Eu me levantei e saí dali e casei com Léo"


"A atração animal entre nós foi tão forte que, mesmo sem mais nada em comum, era provável que nos teríamos envolvido da maneira intensa e profunda como nos envolvemos"


"- Quer vir pra cá, vem, - disse ela. - Estamos movendo uma ação coletiva contra os homens, e os pobres coitados precisam de um advogado de defesa.
- Podem condenar, - repliquei. - Somos todos culpados"


Reinaldo Santos Neves
(Cousa/2013) 


"É isso que nos faz diferentes: não o suicídio em si, mas o motivo para o suicídio. Nas outras famílias as pessoas se matam por loucura, por amor, porque estão doentes, porque perderam a fortuna. Nós, os Fitzleroy, nos matamos sem nenhum motivo. Ou melhor, sem nenhum motivo imediato: matamo-nos em nome da nossa vocação para o suicídio. Matamo-nos pela honra que essa vocação significa para nós mesmos na perspectiva histórica da família.
- O senhor não é religioso, é, Sr. Fitzleroy?
- Claro que sou, - respondeu ele. - Acredito em Deus e sou diácono ...
- Mas isso é um contra-senso, - retruquei. - Como pode acreditar em Deus e ser, como diz, um suicida por vocação? ...
- Uma pneumonia também é uma dádiva que recebemos de Deus ... A própria Bíblia, que condena, por exemplo, o coito interrompido, não condena em lugar algum o suicídio"


"Acrescentei, Maria, que tinha saudade da crítica literária tradicional, em que, mal ou bem, se falava do texto em análise. Hoje, o crítico pretende criticar um romance mas o que faz? Em primeiro lugar, abre espaço para teorizar sobre as teorizações de outros críticos; em segundo lugar, dispara suas próprias elucubrações "inspiradas" na obra que finge que está analisando. No primeiro caso faz filosofia da arte; no segundo, faz literatura postiça. Em ambos os casos, perdem a obra literária e o possível leitor interessado na obra literária"


"Uma das noções mais difundidas a respeito do iceberg é a de que a parte dele que aparece sobre a superfície das águas é proporcionalmente bem menor que a parte que se oculta nas profundezas do mar. Não será aplicável a grande parte das obras de literatura? Isto é, a parte aparente representa o texto visível, legível, impresso, enquanto aquilo que se mantém oculto representa as infinitas possibilidades de leitura e interpretação crítica, podendo-se ver em cada tentativa de apreciação uma lasca daquele enorme e maciço bloco submerso"


"A literatura nada mais é que um punhado de palavras vazias, de personagens sem graça, de histórias sem charme nem arte. A minha ficção? Ah, como me envergonho de tudo que escrevi. E para quê? ... Grande merda, a literatura hoje, como motivo de vaidade. Devia, sim, ser motivo de vergonha. Com todos os avanços intelectuais e tecnológicos, inclusive, e até sobretudo, dos recursos que facilitam o trabalho braçal do escritor, deveríamos nos envergonhar porque nunca, nunca chegaremos aos pés dos nossos grandes precursores ... Só essa incapacidade já deveria ser suficiente para que jogássemos no lixo os nossos computadores e deixássemos de fazer literatura para fazer outra coisa. Que foi o que eu tive vergonha na cara para fazer e fiz"


"Imagine o constrangimento dos arquivistas diante da descoberta da valise, ainda fechada e intacta, trinta e dois anos depois da estranha doação: imaginei-os abrindo a valise; achando ali dentro apenas velhos manuscritos de poesia; fechando de novo a valise como médicos fecham o corpo de um paciente quando constatam que o tumor é inoperável"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…