Pular para o conteúdo principal

Dorival Caymmi, 100 anos

Dorival Caymmi (foto Portal EBC - interferido por Mirdad)


Hoje, 30 de abril de 2014, é o centenário do mestre Dorival Caymmi, cantor, compositor e entidade baiana, eternizado por sua obra e permanência enquanto paisagem humana emoldurada de memórias e valores de raiz e frutos do tempo homem. Pensei em escrever uma homenagem ao mestre maior, mas como não tenho autoridade e nem aproximação suficiente, decidi apenas pedir para que leiam o belíssimo texto de Caetano Veloso, homenageando o "koan baiano, uma lição do Buda-Nagô, como sintetizou Gil. Zen-yoruba", que tem passagens incríveis como "A canção brasileira é uma entidade em que as pessoas que por acaso se encontraram nesta parte do extremo Ocidente em que se fala português reconhecem-se, quase se justificam. Dorival Caymmi é um centro dessa entidade. O centro. Um polo. Um ponto fora da circunferência. Ele e só ele pode ser tudo isso". Leiam aqui.


Também aproveito para relembrar sua obra-prima, "Caymmi e seu Violão", de 1959, com as minhas canções prediletas abaixo. Esse álbum é o que mais me toca, especialmente por ser voz e violão apenas, a essência do folk. Zanom, guitarrista do Orange Poem, itapuãzeiro como o mestre, depõe: "Um dia me pediram que fizesse uma lista com os discos que mais me tocaram. Não consegui fazer a lista, sou incapaz, mas em poucos segundos de reflexão cheguei ao primeiro colocado, pois este era sem dúvida alguma. Caymmi e seu violão. Conciso e inacabado, puramente contraditório, sempre melhorando a cada audição. Em tempos que a palavra "genial" não é mais tão "genial" assim, este é a minha referência do que é genial". E como bem pontuou meu amigo folk facão Glauber Guimarães, "não há nada igual nem antes, nem depois". Nem haverá.





















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…