Pular para o conteúdo principal

Prefácio de André Setaro para o livro Nostalgia da Lama, de Emmanuel Mirdad




Prefácio do livro de poemas Nostalgia da Lama (Cousa/2014), de Emmanuel Mirdad. O lançamento será em maio:


Os Espinhos da Existência
André Setaro

A poesia, linguagem, deve ser a expressão de um sentimento de mundo e ter uma singularidade expressiva na visão deste e das coisas. E Emmanuel Mirdad possui o poder de fazer emergir nos seus pequenos pedaços poéticos a conspiração das dores do mundo numa insólita manifestação que se constrói pela conjugação das letras.

Há, nos poemas de Mirdad, algo que lembra os hai-kais japoneses, uma espécie de fúria que procura, dentro de su'alma, cheia de espinhos, dar à luz as contradições de sua verve de poeta. Em seu livro de poemas, existe um depósito de idiossincrasias que solicitam que sejam poematizados, e Mirdad deixa que suas letras satisfaçam a interioridade angustiante, o vulcão atônico que rege o seu íntimo, que se manifesta em abundantes escarros de um ferino nômade.

Um exemplo que serve para exemplificar o vulcão mirdadiano:

Evolução

primeiro foi a rebeldia
depois o cansaço
por último a fuga
e agora os cacos

A rebeldia que, como um camaleão, se transforma em cansaço para depois fugir e, depois, finda a tempestade, reinar os cacos de si mesmo, ao que se poderia acrescentar: o kaos do autor. O que Mirdad oferece em Nostalgia da Lama é justamente isto: a rebeldia interior do autor através de cacos ou espinhos poéticos. Para Mirdad, viver é lutar, e a aventura da vida também deve ser exposta pelos espinhos da existência. Um leitor mais sensível aos tormentos mirdadianos talvez possa se espetar com suas diatribes transformadas em poemas.

Há uma anarquia, no entanto, nesse espírito rebelde, não fosse todo rebelde também um anarquista. Como neste quase petardo existencial:

Sete, catorze, 21

um espaço vazio na cama
a criança soldado surge
é assustador

Sobre ser um cavaleiro andante que vive a sua perplexidade cotidiana, Emmanuel Mirdad, com este estranho, espinhento, Nostalgia da Lama, faz com que o leitor tenha prazer na sua leitura. A obra, ainda que aparentemente despretensiosa, é densa e dotada de certa crueldade, que não é outra senão a própria crueldade da vida.

Salvador-BA

Comentários

André Setaro disse…
Gostei de me ler, caro e inesquecível Mirdad. Sei que você não gostou de "O homem que matou o facínora", mas isto, outra história. Obrigado pela publicação deste humilde e espinhento prefácio. Peço, com o coração nas mãos, que acredite: entre as pessoas que conheci na Facom, você foi uma das mais interessantes e inteligentes. Grande abraço
André Setaro disse…
Vou me aposentar em agosto.
Mirdad disse…
Se você tá me dizendo, meu amigo, eu acredito. E, também peço com a coração nas mãos, que entre os professores que tive na vida, você foi um dos mais interessantes, inteligentes e importantes. E o único que considero que havia um Mirdad A.S. e outro D.S. Ninguém me "alumiou" mais que a sua técnica singular em destrinchar o óbvio e apresentar outras dimensões possíveis. Eternamente grato, amado mestre!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…