Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Liberdade Aparente, de Márcio Lugó

Liberdade Aparente (2013) - Márcio Lugó

Para ouvir, clique no player laranja abaixo, à esquerda do nome do álbum.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release disponível no Soundcloud do artista:

"
LIBERDADE APARENTE

Com o primeiro disco [Desacelera] baseado na arte como um reflexo da sociedade, o cantor Márcio Lugó decidiu dar continuidade no trabalho pautando a questão da “liberdade aparente”, a qual, segundo ele, indica uma inocência por parte da população, que se acha livre o suficiente em uma sociedade extremamente limitada e limitadora.

Segundo Lugó, o novo trabalho – intitulado de “Liberdade Aparente” aborda críticas sociais a respeito de uma sociedade condicionada. Para o cantor, existe uma necessidade, que deve partir da população, de entender e querer uma mudança no mundo, no que se diz boa convivência, menos capitalismo, egoísmo e caos. “Vivemos crendo que somos livres, mas isso é meio irreal, pois para fazer qualquer coisa, precisamos seguir o que o sistema quer e não o que nos toca, em realidade”, diz Márcio.

Para o novo trabalho, o cantor precisou de aproximadamente um ano para compor, pois neste período abraçou uma análise da sociedade. “Precisamos mudar e sair um pouco deste capitalismo que nos foi ensinado desde pequenos”, explica.
Além da crítica social, Márcio também aborda um lado sentimental no novo disco.

Desde a criação do “Desacelera”, seu primeiro disco, Lugó pôde contar com um suporte maior para conseguir buscar novas reflexões para o “Liberdade Aparente”. “Sem o primeiro trabalho, nada disso estaria rolando agora. Conheci muita gente que quis fazer parte do novo projeto. É como se um tivesse me dado o chão e o outro a possibilidade de eu plantar melhor”, diz.

Sua meta principal com o lançamento do segundo CD é abranger um público maior e focado nessa nova proposta de vida. “Quero chegar e tocar as pessoas, fazer elas pensarem diferente”, aspira o cantor, que já levou seu primeiro trabalho à programas como o “Radiola”, da TV Cultura e o “Cesta de Música”, da rádio CBN.

Com uma mistura de ritmos da música brasileira e do som urbano – com elementos eletrônicos -, Márcio promete um novo trabalho contemporâneo, cheio de vida e emocionante para uma população que está prestes a mudar.
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…