Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Juliano Gauche em seu 1º álbum

Juliano Gauche (2013) - Juliano Gauche

Para ouvir, clique no player laranja abaixo, à esquerda do nome do álbum.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release disponível no site do artista:

"
Nascido em 1977, juliano gauche começou a se apresentar aos 17 anos, tocando clássicos do rock e músicas escritas com amigos de escola. em 2003, lança o primeiro disco com a banda solana, na capital do estado do espírito santo, vitória. ainda em vitória o cantor se profissionaliza, participando de inúmeros projetos, gravando discos e tocando em festivais. já gravou com o solana três discos: quanto mais pressa mais de vagar (2003), feliz feliz (2008) e veneza (2012). em 2009 circulou por todo brasil lançando o disco hoje não, onde interpreta canções do também cantor e compositor, sérgio sampaio.

Atualmente vivendo em são paulo, gauche vem sendo reconhecido por sua voz peculiar e performance intensa e explosiva. o artista carrega em sua personalidade uma nuvem de elementos da chamada contra-cultura, evidenciada nas letras de suas canções. de roberto carlos, raul seixas e beatles a rimbaud e fernando pessoa, as referências presentes no universo de juliano podem ser facilmente identificadas, sem interferir na originalidade do trabalho.

Em seu show, juliano sintetiza suas experiências, trazendo o vigor do solana, a delicadeza do sampaio nas interpretações, e todo universo mítico que acumulou nos palcos. com uma banda que traduz suas canções para uma leitura moderna, ele se permite a uma interpretação cada vez mais visceral e não deixa dúvidas quanto ao seu talento como cantor e performer.
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…