Pular para o conteúdo principal

Orange Poem lança o EP Unquiet na terça 22



The Orange Poem lança novo EP com música em homenagem a Raul Seixas


Depois de lançar o EP Ground em janeiro com a voz de Glauber Guimarães (ouça aqui), a banda psicodélica progressiva Orange Poem lança o EP Unquiet na próxima terça 22, na volta do feriado, aqui: www.soundcloud.com/theorangepoem. Assim como o primeiro, o EP vem com três composições de Emmanuel Mirdad, produtor do grupo: "The Unquietness", "Neither Gods, Nor Devils" e "Homage". Esta última é uma homenagem a uma foto do grande Raul Seixas. "Escrevi a letra relacionando as palavras que caem e que sobem presentes na foto. Essas palavras de Raul fazem parte da canção 'Dentadura Postiça', e a pirraça minha foi criar uma melodia que não lembra o som do maluco beleza. A homenagem está presente na letra, na mensagem, que era e é muito importante para a obra de Raulzito".


Rodrigo Pinheiro grava a voz no EP Unquiet no final de março de 2014 - Foto Mirdad


As músicas foram gravadas entre 2005 e 2006 e estavam engavetadas desde o fim da banda. Com a volta da Orange Poem, as músicas ganharam uma nova mixagem, a presença do sintetizador de Tadeu Mascarenhas e um novo vocal: o cantor baiano Rodrigo Pinheiro, ex-Besouros do Sertão e atual Mulher Barbada. "Dez anos atrás fui o produtor da melhor banda cover de Beatles e Raul Seixas que já existiu no Brasil. Rodrigo, conhecido então como John (porque cantava na pegada John Lennon), era o vocalista da face 'besouro' da banda. Tempos depois, montamos um projeto folk e cinco vozes chamado Sad Child, em que Glauber Guimarães fazia parte também, e quase todo o repertório era com canções minhas. Agora, depois do EP Ground com Glauber, é muito bom ter o Rodrigo no EP Unquiet para firmar pra sempre a presença desse belo projeto Sad Child na Orange Poem", explica Mirdad.

|||||

A BANDA

De 2001 a 2007, a Orange Poem apresentou sua singular sonoridade baseada no psicodélico rock progressivo em inglês, com pitadas de blues, folk, groove e hard rock setentista. Formada por desconhecidos do cenário do rock baiano (e até entre si mesmos), conduzida pelo multifacetado Emmanuel Mirdad (escritor, compositor e produtor da Flica), foi uma banda guitarreira de canções autorais do seu produtor e então cantor. Zanom e Saint, guitarristas tão antagônicos de estilo, combinaram como yin-yang seus timbres em solos de puro feeling ou velocidade intensa. Na gruvada cozinha laranja, a segurança e técnica dos músicos Hosano Lima Jr. (baterista) e Artur Paranhos (baixista).

Pertencente à geração 00 do rock baiano, de bandas cantando em inglês como The Honkers e Plane of Mine, a Orange Poem gravou dois discos no estúdio Casa das Máquinas, do psicodélico Tadeu Mascarenhas (na época, ainda ostentava uma potente barba Talibã). “Shining Life, Confuse World”, o primeiro, chegou a ser prensado e lançado no extinto World Bar em 2005, de forma totalmente independente, sem gravadora nem selo. A banda optou por não trabalhar a divulgação dele e partiram pra gravar o seguinte, “Sleep in Snow Shape”, que foi concluído no final de 2006, poucos meses antes da banda acabar em março de 2007. Não chegou a ser lançado, e os membros se mudaram pra estados distintos. Mirdad nunca se conformou com o engavetamento das canções laranjas.

|||||

AS CANÇÕES

The Unquietness
(Emmanuel Mirdad)

Uma das mais belas do repertório, com destaque para os belos arranjos dos guitarristas Zanom e Saint, essa progressiva balada é o pilar mais forte da face “Floyd” da banda - nos ensaios, a Orange Poem desligava todas as luzes do estúdio e decolava para uma outra galáxia. Inquieto ser que abre a janela e se questiona: devo atirar-me à busca no mundo ou aprofundar-me no casulo de minhas dúvidas surdas?


Neither Gods, Nor Devils
(Emmanuel Mirdad)

Flertando com os anos 80, traz uma sonoridade diferente da obra laranja: um progressivo que mistura U2 com The Cure, além de uma homenagem à surf music de Dick Dale. O poema é um relato de um inconformado, disparando contra a reprodução a esmo ao invés da própria criação, que pede canções ao invés de discursos, propõe matar todos os ícones e soterrar seu legado, e sentencia: não há evolução.


Homage
(Emmanuel Mirdad)

O poema traz uma homenagem a uma foto de Raul Seixas, que profetizava o que iria cair e o que iria subir; Mirdad pegou as palavras e desenvolveu as relações e causas das quedas/subidas. Nos arranjos, destaque para o sintetizador de Tadeu Mascarenhas e um jeito peculiar de tocar guitarra, com a ‘marimba’ de Zanom e os ‘teclados’ de Saint.

|||||

O EP UNQUIET

01. The Unquietness
      BR-N1I-14-00005

02. Neither Gods, Nor Devils
      BR-N1I-14-00006

03. Homage
      BR-N1I-14-00007

Todas as composições são de Emmanuel Mirdad

Rodrigo Pinheiro (voz)
Mirdad (violão 12 cordas)
Zanom (guitarra)
Saint (guitarra)
Hosano Jr. (bateria)
Artur Paranhos (baixo)
Tadeu Mascarenhas (sintetizador)

"Homage" possui um trecho de voz de Raul Seixas, extraído do Youtube

Gravação, mixagem e masterização: Tadeu Mascarenhas (Estúdio Casa das Máquinas)

Produção artística e executiva: Emmanuel Mirdad

Encarte: Glauber Guimarães

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…