Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Homens Lentos, de A Fase Rosa

Homens Lentos (2013) - A Fase Rosa

Para ouvir, clique no player laranja abaixo, à esquerda do nome do álbum.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release por Makely Ka disponível no site da banda:

"
O nome da banda me lança imediatamente em dois universos bem diferentes. Um é obviamente o período rosa do pintor espanhol Pablo Picasso, marcado por uma leveza irônica, povoado de acrobatas, palhaços, prostitutas, por um certo erotismo subersivo. O outro me remete ao ruído rosa usado como sinal sonoro de referência para calibragem de sistemas de áudio. Tecnicamente falando, o ruído rosa pode ser definido como um tipo de som onde a energia é igual em todas as oitavas.

Ouvindo o disco encontro, de forma difusa, mas reincidente, elementos que justificam essa minha primeira impressão. Mais do que isso, o caráter técnico se entrelaça ao conceitual. Isso se manifesta tanto nas letras quanto nos arranjos, assim como nos temas ou mesmo na decantação dos timbres das guitarras que justificam a referência ao universo da engenharia acústica.

Mas após a audição me ocorre ainda outro significado para o nome da banda: o poder rosa. A ambiguidade do termo sugere o potencial iconoclasta num momento de crise profunda do sistema patriarcal, de discussões sobre liberdade de expressão e manifestações públicas de homofobia vindas de autoridades religiosas. Mas a provocação é sutil, não está explícita.

Pertencentes à geração Praia da Estação, sua música contamina pelo entusiasmo, pelo espírito coletivo, pela vontade de mudar o rumo dos acontecimentos e interferir na cena cultural da cidade e do país. A Fase Rosa talvez seja das mais representativas dessa movimentação por trazer alguns elementos que resumem esse momento: a irreverência combativa, a crítica social cruzando referências do universo pop, a mistura de elementos musicais da alta e da baixa cultura de forma orgânica. Cabe ressaltar que para essa geração, a mistura de repertórios não é mais um conteúdo programático, ela é natural. Por isso, referências a Radiohead podem estar numa música que dialoga ritmicamente com o axé. Sem conflito ou provocação, eles cresceram assim.

De fato há um frescor, uma liberdade criativa, um despojamento que destoa da prática recorrente em Minas no campo da canção, geralmente tão introspectiva e de aspiração transcendente.

Há, de outro lado, uma ação paralela à música propriamente dita, uma ação de cunho político e social, que ganha vulto em manifestações que dialogam com a cidade, não somente a Praia da Estação, mas também o Carnaval de Rua, a Marcha da Liberdade, a Marcha das Vadias etc. Todas manifestações de caráter eminentemente paródico e alegórico com elementos cênicos e circenses. Como diz o refrão de Colorida (que pode ser lida como outra alusão à ambiguidade do poder rosa) “somos filhos do carnaval” e isso significa muito mais do que uma herança carnavalesca em sentido restrito.

A Fase Rosa é um dos grupos que dá sentido, com sua poesia, a algumas dessas articulações que vem movimentando a cidade. Isso sem assumir uma postura panfletária, mas intuindo o tom exato para expressar uma vontade coletiva, eles captaram, quase despretensiosamente, o zeitgeist do momento e o transformaram em música.

A correspondência entre a ação política que ocupa praças e arregimenta manifestações de caráter lúdico contra o poder público e a postura aguerrida - mas aparentemente despretensiosa da banda - me parece sintomático da consciência da dimensão simbólica dessas ações. É que a contradição aparente na opção pelo formato da música pop não impede o adensamento necessário para uma verdadeira transformação no cenário, conferindo tônus ao discurso poético, sugerido no ímpeto contestador capaz de gerar a fagulha para uma verdadeira combustão.

Talvez seja uma expectativa superdimensionada para garotos que querem, sobretudo, se divertir. Mas o caráter dessas manifestações não deixa de ser festivo e ao mesmo tempo contestador.

Num momento em que a juventude se levanta no mundo todo em ocupações simbólicas exigindo mudanças nos sistemas políticos, talvez esta seja a forma dos belorizontinos estabelecerem essa ligação mais orgânica entre a ação e o discurso, entre o conteúdo e a forma, ou ainda, entre arte e política. Energia em todas as oitavas. Essas dicotomias não me parecem ter sido simplesmente superadas por um novo estatuto da arte ou coisa que o valha. Pelo contrário, reside aí a sua força transformadora. Poderia dizer, inclusive, que cada vez mais a arte que faz diferença é aquela que possui algum questionamento político, principalmente quando surge de forma sutil, subentendida, metafórica. Porque não é preto no branco, é mais suave, tem mais nuances, costuma ser a que tem maior potencial transformador.

Por tudo isso só me resta saudar a chegada deste primeiro álbum e desejar vida longa à Fase Rosa!
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…