Pular para o conteúdo principal

Leituras 2021

Os 36 livros lidos em 2021

Dentre os 36 livros que li em 2021, selecionei trechos de 34 livros, com destaque para a poesia de Alberto da Cunha Melo, Ricardo AleixoMônica Menezes, Alex Simões e Jovina Souza, as cartas de Clarice Lispector, as crônicas de Ângela Vilma e Kátia Borges, os romances de Pepetela, Buddhadeva Bose e Paulo Bono [e o meu “oroboro baobá”], entre outros livros, e os versos, as biografias e demais livros sobre Renato Russo. Além disso, foi um ano em que reli a biografia de Dado Villa-Lobos e o excelente blog “NÃO LEIA!”, de Mayrant Gallo, garimpando trechos valiosos. Boa leitura! 

“Poesia completa”
(Record, 2017)
Alberto da Cunha Melo
Os melhores poemas aqui
Versos geniais aqui

“Todas as cartas”
(Rocco, 2020)
Clarice Lispector
Leia trechos aqui

“oroboro baobá”
(Penalux, 2020)
Emmanuel Mirdad
Leia trechos aqui

“Aeronauta”
(Mondrongo, 2020)
Ângela Vilma
Org. Emmanuel Mirdad
Leia trechos aqui

“Renato Russo de A a Z:
As ideias do líder da Legião Urbana”
(Letra Livre, 2000)
Renato Russo
Org. Simone Assad
Leia trechos aqui

“Conversações com Renato Russo”
(Letra Livre, 1996)
Renato Russo
Leia trechos aqui

“O quase fim do mundo”
(Kapulana, 2019)
Pepetela
Leia trechos aqui

“Renato Russo — O filho da revolução”
(Planeta, 2018)
Carlos Marcelo
Leia trechos aqui

“Meu tipo de garota”
(Companhia das Letras, 2011)
Buddhadeva Bose
Leia trechos aqui

“Sexy Ugly”
(Mondrongo, 2019)
Paulo Bono
Leia trechos aqui

“A teoria da felicidade”
(Patuá, 2020)
Kátia Borges
Leia trechos aqui

“Pesado demais para a ventania”
(Todavia, 2018)
Ricardo Aleixo
Leia trechos aqui

“Pequeno álbum de silêncios”
(Boto-cor-de-rosa / paraLeLo13S, 2021)
Mônica Menezes e Sarah Fernandes
Leia trechos aqui

“assim na terra como no selfie”
(Boto-cor-de-rosa / paraLeLo13S, 2021)
Alex Simões
Leia trechos aqui

“O livro das listas”
(Companhia das Letras, 2017)
Renato Russo
Org. Sofia Mariutti e Tarso de Melo
Leia trechos aqui

“O levante da fênix”
(Òmnira, 2021)
Jovina Souza
Leia trechos aqui

“Renato Russo — O Trovador Solitário”
(Agir, 2020)
Arthur Dapieve
Leia trechos aqui

“Renato, o Russo”
(Garota FM Books, 2021)
Julliany Mucury
Leia trechos aqui

“Objetos da Bahia”
(Mondrongo, 2020)
André Lemos
Leia trechos aqui

“Os cadernos de Fernando Infante”
(EGBA, 1997)
Elieser Cesar
Leia trechos aqui

“Oratório das águas”
(Mondrongo, 2019)
Gustavo Felicíssimo
Leia trechos aqui

“trans formas são”
(Organismo, 2018)
Alex Simões
Leia trechos aqui

“Maturando pernas em rabo de peixe”
(Organismo, 2021)
Martha Galrão
Leia trechos aqui

“Discobiografia Legionária”
(Leya, 2016)
Chris Fuscaldo
Leia trechos aqui

“Rio das Almas”
(Chiado Books, 2021)
Pawlo Cidade
Leia trechos aqui

“Desastres”
(Penalux, 2021)
André Lemos
Leia trechos aqui

“Foto Grafias: Retratos de mim”
(Editora Clae, 2021)
Bárbara Pontes
Leia trechos aqui

“Soteropolitanos”
(2020)
Org. Matheus Peleteiro
Leia trechos aqui

“Histórias e histórias da Bahia”
(Caramurê, 2021)
Org. Fernando Oberlaender
Leia trechos aqui

“O espelho dos girassóis”
(2020)
Maviael Melo
Leia trechos aqui

“A terra em pandemia”
(Mondrongo, 2020)
Aleilton Fonseca
Leia trechos aqui

“Tocaia do Norte”
(Penalux, 2021)
Sandra Godinho
Leia trechos aqui

“Vasconcelos Maia — Contista da gente baiana”
(Alba, 2016)
Elieser Cesar

“A classe média no espelho”
(Estação Brasil, 2018)
Jessé Souza

“Coisas”
(Mondrongo, 2018)
André Lemos
Leia trechos aqui

“O discurso do rio”
(Palimage, 2020)
Cyro de Mattos
Leia trechos aqui

-----

Blog NÃO LEIA!
(2008-2017)
Mayrant Gallo
Leia trechos aqui

Os melhores versos de Renato Russo
nos discos da Legião Urbana
Leia aqui

Melhores poemas 2020
Zecalu
Leia aqui

-----

Reli 01 livro em 2021

“Dado Villa-Lobos: Memórias de um Legionário”
(Mauad X, 2015)
Dado Villa-Lobos, Felipe Demier e Romulo Mattos
Leia trechos aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d