Pular para o conteúdo principal

89 livros mais importantes que li ao escrever oroboro baobá


Escrever “oroboro baobá” foi um laboratório, um curso, um aprendizado. E eu não poderia ter produzido o romance, se não tivesse consumido 89 livros fundamentais para a minha formação, entre contos, poemas, romances, ensaios, históricos. Afirmo que, sem as crônicas e os contos de Clarice Lispector, os contos de Anton Tchekhov, Hélio Pólvora e Machado de Assis, as crônicas de Nelson Rodrigues, os romances de Pepetela e os poemas de Ruy Espinheira Filho, entre outras inspirações, eu não teria escrito uma linha sequer.


Dos livros lidos durante o processo de escrita de “oroboro baobá”, entre 2012 e 2020, são estes os que eu considero como os mais importantes para a minha formação como leitor e escritor:

01) “Todas as crônicas”, de Clarice Lispector [Crônicas, lido em 2019]

02) “Todos os contos”, de Clarice Lispector [Contos, 2016]

03) “50 contos de Machado de Assis”, Org. John Gledson [Contos, 2012]

04) “Toda poesia de Augusto dos Anjos” [Poesia, 2018]

05) “Os cem melhores contos brasileiros do século”, Org. Ítalo Moriconi [Contos, 2015]

06) “O livro das semelhanças”, de Ana Martins Marques [Poesia, 2016]

07) “Crônica do Pássaro de Corda”, de Haruki Murakami [Romance, 2018]

08) “Os Románov”, de Simon Sebag Montefiore [Biografia, 2017]

09) “O demônio do meio-dia — Uma anatomia da depressão”, de Andrew Solomon [Ensaio, 2014]

10) “As noites difíceis”, de Dino Buzzati [Contos, 2015]

11) “Um negócio fracassado e outros contos de humor”, de Anton Tchekhov [Contos, 2017]

12) “Memórias póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis [Romance, 2016]

13) “Naquele exato momento”, de Dino Buzzati [Contos, 2015]

14) “A dama do cachorrinho [e outras histórias]”, de Anton Tchekhov [Contos, 2015]

15) “Como ficar sozinho”, de Jonathan Franzen [Ensaio, 2013]

16) “A gloriosa família — O tempo dos flamengos”, de Pepetela [Romance, 2016]

17) “Aprender a rezar na era da técnica”, de Gonçalo M. Tavares [Romance, 2015]

18) “Melhores contos”, de Orígenes Lessa [Contos, 2015]

19) “Melhores contos”, de Aníbal Machado [Contos, 2016]

20) “Correntezas e outros estudos marinhos”, de Lívia Natália [Poesia, 2015]

21) “O Diabo & Sherlock Holmes: histórias reais de assassinato, loucura e obsessão”, de David Grann [Jornalismo literário, 2016]

22) “Os transparentes”, de Ondjaki [Romance, 2015]

23) “Os cavalinhos de Platiplanto”, de J. J. Veiga [Contos, 2015]

24) “A flecha de Deus”, de Chinua Achebe [Romance, 2017]

25) “Mar de glória — Viagem americana de descobrimento”, de Nathaniel Philbrick [História, 2017]

26) “Bahia: Inquisição e sociedade”, de Luiz Mott [História, 2017]

27) “A cor da água — Tributo de um negro à sua mãe branca”, de James McBride [Memórias, 2017]

28) “Khadji-Murát”, de Lev Tolstói [Romance, 2018]

29) “Obra completa”, de Murilo Rubião [Contos, 2018]

30) “A cidade do Salvador (1549) — Uma reconstituição histórica”, de Edison Carneiro [História, 2017]

31) “Histórias da Gente Brasileira — Volume 1: Colônia”, de Mary del Priore [História, 2016]

32) “Canções mexicanas”, de Gonçalo M. Tavares [Contos, 2019]

33) “Perseguição e cerco a Juvêncio Gutierrez”, de Tabajara Ruas [Romance, 2013]

34) “O albatroz azul”, de João Ubaldo Ribeiro [Romance, 2019]



Dos livros lidos nos anos de 2012 a 2020, fora dos dias de trabalho no processo de escrita de “oroboro baobá”, são estes os que eu considero como os mais importantes para a minha formação como leitor e escritor:

01) “Estação infinita e outras estações”, de Ruy Espinheira Filho [Poesia, lido em 2013]

02) “Mayombe”, de Pepetela [Romance, 2013]

03) “O beijo e outras histórias”, de Anton Tchekhov [Contos, 2015]

04) “Memórias — A menina sem estrela”, de Nelson Rodrigues [Crônicas, 2014]

05) “O sonho do celta”, de Mario Vargas Llosa [Romance, 2017]

06) “O grito da perdiz”, de Hélio Pólvora [Contos, 2014]

07) “A dama do cachorrinho e outros contos”, de Anton Tchekhov [Contos, 2015]

08) “Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo”, de David Foster Wallace [Ensaio, 2014]

09) “Poesia completa”, de Orides Fontela [Poesia, 2016]

10) “Mestre Dedé — O andarilho da ilusão”, de Ildegardo Rosa [Poesia, 2017]

11) “Olhos d’água”, de Conceição Evaristo [Contos, 2016]

12) “Mar de Azov”, de Hélio Pólvora [Contos, 2014]

13) “O reacionário — Memórias e confissões”, de Nelson Rodrigues [Crônicas, 2014]

14) “Poesia reunida”, de Maria do Rosário Pedreira [Poesia, 2019]

15) “O conto da aia”, de Margaret Atwood [Romance, 2017]

16) “Rita Lee: Uma autobiografia” [Biografia, 2019]

17) “Umbigo”, de Nicolas Behr [Poesia, 2017]

18) “O assassinato e outras histórias”, de Anton Tchekhov [Contos, 2017]

19) “A cabra vadia — Novas confissões”, de Nelson Rodrigues [Crônicas, 2014]

20) “Além das montanhas”, de Chris Offutt [Contos, 2019]

21) “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar [Romance, 2013]

22) “Homem invisível”, de Ralph Ellison [Romance, 2017]

23) “O que os cegos estão sonhando?”, de Noemi Jaffe [Memórias, 2019]

24) “Poemas”, de Daniel Lima [Poesia, 2013]

25) “O malfeitor e outros contos da velha Rússia”, de Anton Tchekhov [Contos, 2017]

26) “O deserto dos tártaros”, de Dino Buzzati [Romance, 2015]

27) “As grandes paixões”, de Guy de Maupassant [Contos, 2015]

28) “A geração da utopia”, de Pepetela [Romance, 2014]

29) “Antologia do conto húngaro”, Org. Paulo Rónai [Contos, 2019]

30) “Um homem extraordinário [e outras histórias]”, de Anton Tchekhov [Contos, 2015]

31) “O tradutor cleptomaníaco e outras histórias de Kornél Esti”, de Dezsö Kosztolányi [Contos, 2019]

32) “O voo da madrugada”, de Sérgio Sant’Anna [Contos, 2015]

33) “Diana caçadora & Tango fantasma”, de Marcia Denser [Contos, 2016]

34) “Melhores contos”, de J. J. Veiga [Contos, 2015]

35) “Massacre no Km 13”, de Hélio Pólvora [Contos, 2014]

36) “Noites vivas”, de Hélio Pólvora [Contos, 2014]

37) “Contos cortantes”, de Breece D’J Pancake [Contos, 2019]

38) “O exercício da distração”, de Kátia Borges [Poesia, 2019]

39) “O filho eterno”, de Cristovão Tezza [Romance, 2013]

40) “Estranhos e assustados”, de Hélio Pólvora [Contos, 2014]

41) “O leopardo é um animal delicado”, de Marina Colasanti [Contos, 2016]

42) “Predadores”, de Pepetela [Romance, 2014]

43) “Os nove pentes d’África”, de Cidinha da Silva [Infantojuvenil, 2017]

44) “Romancista como vocação”, de Haruki Murakami [Ensaio, 2017]

45) “O martelo”, de Adelaide Ivánova [Poesia, 2017]

46) “Os dragões não conhecem o paraíso”, de Caio Fernando Abreu [Contos, 2016]

47) “O violino de Rothschild & outros contos”, de Anton Tchekhov [Contos, 2017]

48) “Para educar crianças feministas”, de Chimamanda Ngozi Adichie [Ensaio, 2017]

49) “A ilha de Sacalina”, de Anton Tchekhov [Jornalismo literário, 2018]

50) “Afogado”, de Junot Díaz [Contos, 2019]

51) “Z — A cidade perdida”, de David Grann [Jornalismo literário, 2017]

52) “Cuidado com as velhinhas carentes e solitárias”, de Matei Visniec [Teatro, 2014]


54) “Lima Barreto: Triste visionário”, de Lilia M. Schwarcz [Biografia, 2018]

55) “Gigantes do futebol brasileiro”, de João Máximo e Marcos de Castro [Biografia, 2013]

---------
---------

Releituras também foram fundamentais! São estes os livros que eu considero como os mais importantes para a minha formação como leitor e escritor [relidos durante o processo de escrita de “oroboro baobá” e fora dos dias de trabalho]:

01) “A descoberta do mundo”, de Clarice Lispector [Crônicas, reli em 2014]

02) “Laços de família”, de Clarice Lispector [Contos, 2015]

03) “Pés quentes nas noites frias”, de Mayrant Gallo [Contos, 2014]

04) “O inédito de Kafka”, de Mayrant Gallo [Contos, 2014]

05) “Nem mesmo os passarinhos tristes”, de Mayrant Gallo [Minicontos, 2014]

06) “Brancos reflexos ao longe”, de Mayrant Gallo [Contos, 2015]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav